Influência e persuasão nas negociações

Quem trabalha na área comercial, sabe que influência e persuasão nas negociações são elementos primordiais para o sucesso. Mas como usar essas ferramentas durante uma reunião? Como vencer os obstáculos da venda? E o mais importante: como conquistar a confiança do cliente? Essas reflexões foram respondidas durante a palestra de Carlos Cezar*, sócio e consultor da Dynargie Brasil, realizada em Ribeirão Preto.

Convidado pela AMCHAM (American Chamber of Commerce for Brazil), Carlos abordou influência e persuasão nas negociações de forma bastante interativa. O tema é trabalhado pela Dynargie Brasil em treinamentos e palestras com seus clientes. Mais que apresentar soluções, a proposta é provocar a participação do público para gerar insights e uma reflexão acerca do tema para obter sucesso nas vendas.

Influência e persuasão nas negociações: os obstáculos da venda

Geralmente, ao pensar no tema, a expectativa é ir direto ao ponto, ou seja, como persuadir e influenciar durante a reunião. Mas sabemos muito bem que no mundo real há diversas etapas que antecedem o encontro com o cliente. Por essa razão, Carlos iniciou sua palestra abordando os obstáculos da venda. E é exatamente, onde o trabalho do vendedor começa.

Cliente

De nada adianta saber em teoria sobre influência e persuasão nas negociações se não conseguirmos vencer os primeiros empecilhos de uma venda. Por isso, a temática começa diante de um universo que, embora pareça negativo, apenas traz barreiras a serem vencidas. Afinal, quantas vezes foi necessário ligar para agendar ou reagendar aquela reunião com um prospect? Quantos clientes têm tempo livre e disponível para te receber exatamente naquele momento mais conveniente para você?

O trabalho do vendedor começa muito antes do encontro com seu interlocutor. E sem dúvida, influência e persuasão nas negociações devem ter o foco em conquistar o cliente durante a prospecção. Isso porque fazer o cliente te escutar é, sem dúvida, o primeiro desafio de uma venda. Às vezes, pode ser por uma simples questão de agenda lotada. Em outras, a falta de verba ou de interesse no que você tem a dizer, no seu produto e na sua empresa são grandes entraves. E é preciso estudar muito bem o cliente antes, pois nem sempre é um bom momento para o cliente comprar.

Vendedor

Entre os diversos obstáculos que dificultam uma venda, devemos incluir nós mesmos. Sim, os vendedores podem ser a pedra em seu próprio caminho. E o principal desafio é o despreparo. Isso porque não basta saber em teoria o que é influência e persuasão nas negociações, se não souber aplicar na prática. É preciso ir muito além de conhecer as técnicas de vendas, mas conhecer a si mesmo e buscar o seu desenvolvimento.

Essa falta de preparo gera sentimentos e comportamentos como insegurança, ansiedade e medo que destroem qualquer conversa. Isso explica parte da superação necessária para que influência e persuasão nas negociações sejam bem-sucedidas. Outro erro bastante comum é querer resolver o problema do cliente ou oferecer qualquer coisa, sem saber o que o seu interlocutor realmente precisa. “Enfim, todo aquele comportamento de autossabotagem”, ressaltou o consultor da Dynargie Brasil.

Influência e persuasão nas negociações: a confiança

Influência e persuasão nas negociações para obter sucesso nas vendas começam com a superação desses desafios. Diante disso, vale refletir sobre quais são os entraves que você tem enfrentado e por quê. Conhecer suas próprias dificuldades e buscar o desenvolvimento delas é, sem dúvida, o começo da jornada.

Mas e depois, o que eu faço? Com uma plateia lotada e bastante interessada, Carlos Cezar discutiu com o público para que, juntos, encontrassem a solução. Influência e persuasão nas negociações só acontecem com a construção da confiança. Vale ressaltar ainda que confiança não se compra e está disponível para qualquer um. Daí a importância de se esforçar e se empenhar para ser digno de conquistá-la com maestria.

Influência e persuasão nas negociações: o que é preciso para conquistar o cliente

Agora você deve estar se perguntando: o que é preciso fazer para conquistar a confiança do cliente? Basta apenas usar influência e persuasão nas negociações? Para responder a essas perguntas, Carlos Cezar explica que um bom vendedor precisa ter dois atributos primordiais. O primeiro é a atitude e o segundo é a competência. Uma precisa da outra para determinar a sua eficiência. Ou seja, ambas devem caminhar juntas.

1º Atitude

A atitude está relacionada com características importantes como ter coragem, ser transparente e se preocupar realmente com o cliente. Conquistar a confiança vai muito além de persuadir e influenciar, envolve escutar receptivamente o cliente, querer saber qual é a necessidade dele e oferecer uma solução. A empatia de um vendedor é essencial para criar sinergia durante o encontro e estabelecer uma negociação ganha-ganha.

2º Competência

Como dito, um atributo precisa caminhar lado a lado com o outro. Portanto, não basta ter atitude, é preciso também ter competência. Isso significa que o vendedor precisa ter conhecimento técnico, entender muito bem seu produto ou serviço, o mercado em que está inserido e benefícios que tem a oferecer. Também é essencial conhecer o prospect e a sua área de atuação. Dessa forma, é possível compreender a real necessidade do cliente e atendê-lo corretamente, oferecendo exatamente o que ele precisa.  

Influência e persuasão nas negociações: como conquistar o cliente?

Com atitude, competência e confiança, influência e persuasão na negociação fluem naturalmente. Ao estabelecer uma relação em que todos ganham com transparência e honestidade, sem empurrar um produto, o interlocutor se sente mais confortável. Tudo isso somado à entrega da solução que atenda exatamente o que o cliente precisa, garante a satisfação e um relacionamento duradouro.

Esse cenário explica muito bem como conquistar cliente. Mas o sócio e consultor da Dynargie Brasil alerta que o esforço não para por aí. “É preciso fazer esse trabalho com constância, consistência e propósito positivo”, pontuou. Isso quer dizer que a confiança é conquistada e deve ser mantida no dia a dia, com demonstrações práticas de que o cliente pode confiar e continuar confiando em você.

Influência e a persuasão nas negociações devem estar focadas nessa construção de um relacionamento saudável. “Você não foca no cliente porque é altruísta, mas sim, porque quer resolver o problema dele e da companhia. E isso irá ajudar a todos, inclusive você, como vendedor, e a sua empresa”, explicou Carlos Cezar.

Influência e persuasão nas negociações: competência, atitude e propósito positivo

Ao longo da palestra, Carlos Cezar mostrou que influência e persuasão nas negociações vão muito além dos verbos influenciar e persuadir. E com o apoio da plateia que participou o tempo todo, não só da dinâmica proposta, mas também durante a conversa, foi possível pontuar alguns insights:

  • A importância de conquistar a confiança do cliente
  • As atitudes adequadas para essa conquista
  • A necessidade de trabalhar as competências essenciais para essa finalidade
  • Demonstrar interesse verdadeiro pela necessidade do cliente
  • Ter um propósito positivo com o cliente

A soma de tudo isso conduz à influência e à persuasão nas negociações de forma positiva. O vendedor estabelece um relacionamento com o cliente, conquista a confiança, e a venda faz com que todos ganhem. Este é um dos segredos do sucesso na área comercial.

*Carlos Cezar é Consultor e sócio na Dynargie Brasil, consultoria especializada em preparar pessoas para que sejam protagonistas das mudanças necessárias para fazer frente às transformações do mundo e nos ambientes de negócios.

Nosso Propósito é: “Transformar Comportamentos. Impactar Resultados.”

Fale conosco: +55 11 5505-1460 – brasil@dynargie.com.br

Você encoraja a participação dos colaboradores?

participação dos colaboradores

3 erros que dificultam a participação dos colaboradores e como solucioná-los

Os tempos estão mudando. Aquele conceito de “manda quem pode, obedece quem tem juízo” começa a ficar para trás. Hoje, os profissionais não só desaprovam chefes que lideram no grito, como também querem ter voz ativa. Anseiam por gestões em que possam realmente participar, contribuir e aprender. Não é à toa que a frase “a minha porta está sempre aberta” tem sido ecoada por muitos líderes na atualidade. E existe uma grande possibilidade de você também já ter dito isso, não é mesmo? Mas, será que ela está realmente aberta para encorajar a participação dos colaboradores?

A sua resposta pode até ser um sincero “sim”. No entanto, na prática, a realidade infelizmente costuma mostrar um frustrante “não”. Isso porque a gestão participativa exige muito mais que apenas dizer, é preciso criar essa abertura e estimular o envolvimento dos colaboradores. Para mostrar esses erros frequentes, elencamos alguns questionamentos a seguir.

Os colaboradores se sentem à vontade para participarem da gestão?

Existem inúmeras boas intenções em demonstrar receptividade aos colaboradores. No entanto, gestores pecam em acreditar que somente isso é o suficiente para que as pessoas falem e participem. Mas, não é. Mesmo com as portas abertas, a participação dos colaboradores não é necessariamente engajada.

É necessário um pouco mais de empenho para garantir a atmosfera propícia para que eles tenham a coragem de ter uma conversa franca com seus gestores.  Do contrário, as condições serão ainda menos convidativas quando o colaborador quiser tratar um assunto delicado ou discordar da opinião da liderança. Com isso, as pessoas acabam se sentindo pouco ou nada estimuladas a falarem e a participarem da gestão.

O que fazer?

Para engajar a participação dos colaboradores, a primeira coisa a ser feita é usar a sua empatia. É importante se sentir na pele de sua equipe para entender a dificuldade do seu subordinado em falar com sinceridade. Também é preciso lembrar que nem sempre o que ele tem a dizer é o que você gostaria de ouvir. Tudo isso torna a ação penosa, gerando medo e, possivelmente, nenhuma ação.

Quando nos colocamos na posição do outro, fica mais claro enxergar as dificuldades. Compreendemos que as condições para obter a participação dos colaboradores nem sempre são tão favoráveis como pensamos. Por consequência, as soluções tendem a surgir instintivamente. Como você se sentiria no lugar deles? E o que faria você se sentir à vontade para falar o que pensa com seu superior? Talvez, seja necessário convidar um a um em sua sala para criar o hábito. Ou então, por que não ir até os colaboradores e buscar a participação de cada um?

Você realmente se interessa pela participação dos colaboradores?

Uma gestão participativa requer, necessariamente, querer escutar o outro e fazê-lo receptivamente. Contudo, é um erro muito comum dizer que a “porta está aberta”, mas mantê-la, na realidade, fechada. Ou seja, simplesmente não ter interesse no que o outro tem a dizer. E, quando o posicionamento não é verdadeiro, a equipe saca facilmente e a participação dos colaboradores não acontece. É aí onde mora o perigo.

  • O desinteresse da gestão demonstra falta de consideração.
  • As palavras perdem sua a honra e se tornam vazias ao serem ditas da boca para fora.
  • Os elos de confiança quebrados são difíceis de serem reconstruídos.
  • Ninguém vai querer falar para quem não quer ouvir.
  • Sem a participação, ideias, opiniões e pontos de vista dos colaboradores, todo o talento é desperdiçado. Inovações não acontecem e a gestão provavelmente continuará com produtividade mediana.

O que fazer?

Antes de adotar a gestão participativa, é preciso querer o conhecer o outro. Depois, escutar receptivamente novos conceitos, opiniões contrárias e até mesmo imaginações que pareçam malucas em um primeiro momento. E ainda que você discorde de algo, conhecer esse mundo das ideias é bastante enriquecedor. Ter a participação dos colaboradores ajuda a abrir a mente para outros modelos e permite que a inovação aconteça. Vale lembrar também que diversas cabeças juntas são mais produtivas que uma só.

Você considera as ideias e opiniões resultantes da participação dos colaboradores?

Muitos líderes realmente têm interesse em conhecer as ideias de sua equipe. Querem de fato deixar a porta aberta e exercer uma gestão participativa. No entanto, isso não significa que consideram aquilo que ouvem. É claro que nem sempre as soluções dadas são brilhantes, mas dizer não sistematicamente sem qualquer feedback também não propõe a participação dos colaboradores de forma saudável.

O que fazer?

Não basta apenas ouvir, é preciso deixar claro que irá estudar o assunto e analisar verdadeiramente aquela sugestão. Caso não seja aceita, é imprescindível explicar as razões de forma construtiva para que eles continuem contribuindo. Isso ajuda a engajar a participação dos colaboradores e deixa as portas abertas de forma real. O objetivo é que, mesmo sem obter a aprovação de um projeto, eles se sintam considerados. Além disso, esse subsídio para melhorarem, conhecerem seus erros e acertos ajuda também a manterem a motivação e a produtividade alta.

Às vezes, é interessante ainda usar um pouco de jogo de cintura e ceder às ideias da equipe a fim de estimular a inovação. Afinal, mesmo com todos os aparatos para persistir, ter ideias rejeitadas o tempo todo também pode inibir a expressão do pensamento. E todos perdem com isso.

Como dar um feedback sobre a aparência do colaborador

Como dar um feedback sobre a aparência do colaborador, visando o sucesso dele e sem ser invasivo? Separamos 5 dicas para te ajudar

5 dicas para te ajudar na hora do feedback sobre a aparência do colaborador

“Quem vê cara, não vê coração”, já dizia o velho ditado. Mas, na prática, a apresentação conta (muito!) e, felizmente ou infelizmente, pode impactar na carreira. Uma roupa sensual, amassada ou casual demais, barba malfeita, maquiagem pesada ou falta de higiene podem causar constrangimentos, dificuldades para ganhar o respeito dos colegas ou conquistar clientes. A questão é: quando isso acontece no seu time, o que fazer? Como dar um feedback sobre a aparência do colaborador, visando o sucesso dele e sem ser invasivo? Separamos 5 dicas para te ajudar a tratar este tema tão delicado, porém necessário para obter melhores desempenhos.

  1. Reflita sobre a questão

Em primeiro lugar, é extremamente importante se questionar e refletir. Será que a vestimenta está realmente inadequada ou é um incômodo devido ao seu gosto pessoal? Às vezes, temos em mente que é necessário usar terno e gravata para trabalhar, no entanto, cada segmento pede o seu traje, mais formal ou informal. Outro ponto que vale a reflexão é se isso está prejudicando ou atrapalhando o desempenho do profissional. Pense se houve algum fato, comentário ou dado que possa embasar a sua teoria e visão sobre o assunto.

 

  1. Veja as regras

O próximo passo é ler as regras da empresa e conferir se o look viola alguma norma do código de conduta. É possível que a pessoa simplesmente não tenha ciência sobre tais preceitos ou que eles não sejam tão explícitos como deveriam. Se for esse o caso, assuma a falha e informe-o. “Não é permitido o uso de jeans na empresa e eu não o comuniquei. O erro é meu”. Considere se existe a real necessidade em implementar regras para vestuário e se isso traria possíveis benefícios.

 

  1. Prepare-se

Se o diálogo for, de fato, pertinente, é hora de se preparar. Construa argumentações com bases sólidas e motivos profissionais. Você pode recorrer às pesquisas que mostrem a influência da aparência nas conquistas profissionais, por exemplo. Mas, tome cuidado com discursos de “certo e errado”: prefira transmitir empatia e desejo de vê-lo bem-sucedido pelo viés de como isso pode ajudá-lo a ascender nos negócios. “Uma camisa pode te dar mais credibilidade, facilitando o seu trabalho”. Uma boa dica é certificar-se com o departamento de RH se a sua preocupação tem fundamento e se pode ser interpretada como discriminação.

 

  1. Saiba aconselhar e escutar receptivamente

A forma de se comunicar durante a reunião pode ditar os resultados do feedback. Portanto, tome cuidado para que o seu zelo com o outro não pareça ofensivo. Conferir um tom de conselho à conversa com uma dose de empatia deixa o caminho mais seguro, especialmente quando a má aparência é decorrente de alguma dificuldade enfrentada pelo seu colaborador. Saiba falar, mas também, esteja aberto a ouvi-lo e a compreender a situação. Às vezes, nem mesmo o próprio colaborador percebe que seus obstáculos pessoais estão causando desleixo.

 

  1. Vestir-se com conforto e autenticidade

O feedback visa conscientizar o outro sobre a importância de sua aparência e como isso pode ajudá-lo profissionalmente. Isso não significa deixar a personalidade de lado para usar determinados tipos de roupas ou usar vestes incômodas. Permita a autenticidade na produção, com charme e elegância, e é claro, com conforto – afinal, roupas desconfortáveis prejudicarão o bem-estar e a produtividade.

 

Para finalizar, deixe todas as regras bem claras a todos os colaboradores a fim de evitar que isso aconteça em sua equipe ou que surjam novas ocorrências e sessões para discutir sobre a vestimenta. Se necessário, considere divulgar informações sobre trajes e cuidados em uma reunião ou no jornal da empresa, por exemplo. Já para os recém-chegados tomarem ciência, uma boa saída é incorporar esse conteúdo às orientações sobre a corporação.

Como saber se o profissional está preparado para liderar

Como saber se o profissional está preparado para liderar

Promover ou contratar? Confira algumas dicas para ajudar a responder essa pergunta e acertar na decisão

Pode ter sido por conta de um projeto, a criação de um novo departamento, expansão da empresa ou porque alguém se desligou e a vaga de gestor foi aberta. Começa agora um grande desafio para o Recursos Humanos: buscar um candidato, dentro e fora da companhia, que corresponda às expectativas e atenda às necessidades da posição. Mas como saber se o profissional está preparado para liderar?

Muitos fatores podem influenciar e serem decisivos na escolha da sua liderança. A companhia deve ter uma estratégia e um objetivo em mente para este novo cargo, saber olhar para os talentos que já possui e avaliar se alguém está pronto para subir mais um degrau na hierarquia ou se é melhor procurar um colaborador no mercado.

Nesta empreitada, pessoas com algumas características e personalidades, como autoconhecimento, autoconsciência, empatia, inteligência emocional, resiliência e alta performance, levam certa vantagem pelas próprias responsabilidades do cargo. Afinal, não é só o conhecimento técnico e a experiência que devem ser levados em conta.

Outra questão importantíssima é se o candidato se identifica com a corporação, a política, a cultura, os colegas e o ambiente. E isso serve para os dois lados. Imagine que você não suporta trabalhar com barulho e entra em um lugar onde rola música ambiente, muito falatório e telefones que não param de tocar. Seria mais difícil se acostumar com essa atmosfera, não é mesmo?

Algumas perguntas também podem ser cruciais para descobrir se o profissional está preparado para liderar. Questioná-lo acerca do que ele entende sobre gestão e gerenciamento e o quais são as ambições dele com relação a este time que irá liderar podem dar boas pistas. É preciso compreender verdadeiramente a função de delegar, confiar na equipe (sem pegar tarefas para si porque “pode fazer melhor”), ter uma ótima comunicação e relacionamento, além de sempre ter em mente que o gerenciamento precisa permitir o crescimento e o desenvolvimento dos integrantes.

Também é interessante investigar o que ele faz fora do expediente. Coordenar um trabalho voluntário, atuar como capitão do time ou mesmo ser o mais velho de muitos irmãos são exemplos de vivências que podem, sim, agregar e tudo isso ajuda a analisar o candidato – principalmente aqueles que nunca assumiram a gestão e, portanto, não têm um histórico nessa posição. Para os casos de promoção interna, vale a pena conversar com os colegas e outros colaboradores sobre a performance e a trajetória no escritório até hoje.

Ao fim de tudo isso, não custa lembrar que todo gestor um dia teve a sua chance de dar um passo mais alto na carreira, podendo acumular os conhecimentos e habilidades que você hoje procura. Ou seja, alguém precisou acreditar neles para que este desenvolvimento acontecesse.

Como desenvolver a sua empatia

Post2

Conheça algumas dicas para praticar a sua capacidade de se colocar no lugar do outro

 A empatia é uma poderosa ferramenta, tanto na vida pessoal, como na profissional. A capacidade de se colocar no lugar do outro tem uma função fundamental na construção de relacionamentos, em saber lidar com diferentes públicos e trabalhar em equipe. Não é à toa que este é um assunto que faz parte das premissas da Dynargie, e também, uma das habilidades relacionadas à inteligência emocional mais procuradas pelas empresas. Por isso, separamos algumas dicas de como desenvolver ou aprimorar a sua empatia.

Seja tolerante

O primeiro passo é ser tolerante. Ao julgar ou criticar, ainda que mentalmente, a sua concentração perde o foco e é desviada para uma imagem criada por você mesmo – que muitas vezes pode ser distorcida da realidade. Por consequência, isso poderá afetar os elos de confiança entre ambas as partes. Então, para praticar essa sintonia, é preciso, primeiramente, se livrar de quaisquer pré-conceitos e estar disposto a conhecer verdadeiramente o seu interlocutor.

Escute receptivamente

Escutar receptivamente significa estar aberto e interessado naquilo que está sendo dito, dedicando a sua atenção a isso. Dessa forma, será possível “ler nas entrelinhas”, observando pequenos sinais como um brilho no olhar, um sorriso sutil, a mudança no tom de voz. Tais sinais podem indicar sensações e características, com as quais, sem querer, podemos nos identificar.

Projete-se na outra pessoa

De acordo com o dicionário, empatia significa a “projeção imaginária ou mental de um estado subjetivo, quer afetivo, quer contato ou cognitivo, nos elementos de uma obra de arte ou de um objeto natural, de modo que estes parecem imbuídos dele”. Ou seja, pratique a arte de se imaginar vivendo a situação que o outro está passado, no intuito de tentar sentir na pele o mesmo que ele está sentindo.

Pergunte

Às vezes, é necessário mais informações para tentar entrar a fundo no personagem. Então, pergunte, explore como o outro se sente. As perguntas possuem um ponto positivo por demonstrarem interesse no assunto. Contudo, tome cuidado para não depreciar nada, nem ninguém. A intenção deve ser compreender melhor os fatos e se mostrar próximo.

Siga-nos nas redes