Por que é importante causar uma boa impressão?

Por que é importante causar uma boa impressão?

Saber como causar uma boa impressão é uma das habilidades mais imprescindíveis para as relações interpessoais, já que ela pode influenciar tanto um final feliz como um desastroso. E essa afirmação vale igualmente para a vida pessoal e para a profissional. A sabedoria popular responderia que é porque a “primeira impressão é a que fica”. E é bom lembrar que nem sempre teremos uma segunda chance para causar uma boa primeira impressão.

A ciência explica que o cérebro leva menos de um minuto para formatar uma opinião sobre o seu interlocutor. Isso porque a mente humana é tão rápida que processa já no primeiro segundo diante da pessoa as informações obtidas sobre ela. Com tamanha rapidez, as sinapses realizadas conduzem rapidamente conclusões e julgamentos sobre aquele indivíduo. Em alguns casos, de acordo com as pesquisas, temos até cinco minutos para causar uma boa impressão. Não é à toa que no mundo dos negócios dizem que os primeiros minutos da reunião definem o final da negociação.

Por que causar uma boa impressão é tão importante?

Causar uma boa impressão é importante porque isso pode fazer toda a diferença nos relacionamentos pessoais e profissionais. Como a mente humana é ágil para conceituar alguém, esta primeira interação pode contribuir de forma positiva ou negativa. Se transmitimos algo bom nesta fase inicial e isso é compreendido pelo nosso interlocutor, começamos a relação com o “pé direito”. Já o contrário pode ser equiparado com aqueles dias em que não devíamos ter saído da cama.

Como causar uma boa impressão pode influenciar nas relações interpessoais?

Se causar uma boa impressão é importante para a construção inicial dos relacionamentos, a pergunta que fica agora é: como isso é possível? Imagine-se conhecendo uma pessoa qualquer. Se logo nos primeiros segundos você notar atitudes que admira, elas serão rapidamente processadas pelo seu cérebro. Antes mesmo de se conscientizar sobre a situação, as conclusões acerca do seu interlocutor já estarão formadas. Por conseguinte, este conceito irá refletir em suas ações e na sua maneira de pensar dali em diante.

Logo, se a pessoa causa uma boa impressão, é como se concedêssemos um ponto extra a ela. E isso facilita naturalmente a interação. A mesma lógica vale para o contrário. Ou seja, se pessoa deixou uma má impressão, a tendência é ficarmos mais desconfiados. Como consequência, não proporcionamos muita abertura, dificultando um pouco o diálogo.

As vantagens de causar uma boa impressão na prática

Ao causar uma boa primeira impressão, convencemos “silenciosamente” nosso interlocutor de que vale a pena despender energia e tempo conosco. O cérebro avaliou diversos quesitos como credibilidade, confiança, competência etc. naqueles cinco primeiros minutos, e a conclusão foi positiva. Com um bom julgamento, a pessoa fica mais propensa a querer nos conhecer melhor, a se interessar pelo que temos a dizer e a criar um elo. Esse contexto, por sua vez, gera empatia e sinergia com o outro – o que ajuda a dar mais fluidez ao diálogo.

Com tudo isso, é até óbvio dizer que ganhamos uma vantagem para os passos seguintes. Por exemplo, durante uma reunião de vendas, causar uma boa impressão nos ajuda a cativar atenção do nosso cliente, aumenta o nosso poder de persuasão e favorece a construção de um relacionamento positivo. Esse clima próspero somado às atitudes de um bom vendedor resultam na maior probabilidade da negociação chegar a um final feliz. Já em uma entrevista de emprego, ser visto com bons olhos pode ativar aquele feeling do RH em apostar em um talento e dar o voto de confiança a ele. r

Primeira impressão é a que fica?

O dito popular diz que a primeira impressão é a que fica. Mas será mesmo? A resposta é sim e não. O julgamento que a mente humana faz num primeiro momento fica armazenado no inconsciente. Isso significa que se a experiência foi desagradável será mais difícil e trabalhoso reverter essa visão, porém, não impossível. Ou seja, se você tiver uma segunda oportunidade de tentar passar uma imagem positiva de si mesmo, não perca as suas esperanças! É possível fazer com que o outro mude de ideia a seu respeito.

Diante dessa linha de raciocínio, é importante ressaltar que causar uma boa primeira impressão não quer dizer garantia de sucesso. Também existe a possibilidade de ser bem avaliado nos primeiros cinco minutos e isso se dissolver. Nem sempre os julgamentos feitos pela mente humana e as intuições estarão certos. Ou então a expectativa criada pode não ser correspondida durante a construção do relacionamento. Nesses casos, o resultado é uma grande frustração.

Por essa razão, tão importante quanto causar uma boa impressão é realmente ser aquela imagem transmitida. A mensagem passada em sua apresentação deve estar sempre de acordo com quem você verdadeiramente é. Além de evitar tais conflitos, a honestidade do começo ao fim é um ingrediente imprescindível nessa receita.

Como causar uma boa impressão  

Já que é tão benéfico causar uma boa primeira impressão, só nos resta saber como. E o primeiro passo para isso é entender que causar uma boa impressão não está relacionado com a beleza física. Mais que isso, passar uma imagem positiva de nós mesmos está ligado a um conjunto de atitudes, comportamentos e à nossa apresentação. É isso que será evidenciado à primeira vista e é com essas informações que a mente humana irá formular a opinião.

Então, confira a seguir quatro dicas de como causar uma boa primeira impressão e ser bem-sucedido:

Como causar uma boa impressão: cuide de sua aparência

Causar uma boa impressão começa com a sua aparência física. Simples cuidados como trajar a roupa adequada ao ambiente, estar com uma maquiagem elegante, barba bem-feita, cabelos penteados fazem uma baita diferença. Afinal, o seu aspecto exterior faz parte do seu cartão de visitas. E como nunca se sabe quem você irá conhecer amanhã ou as oportunidades que a vida te reserva, o ideal é estar sempre pronto e bem apresentável!

Como causar uma boa impressão: seja bem-educado

A boa educação pode soar óbvia, mas é preciso pontuar porque isso vai muito além de dizer “por favor” e “obrigado”. Boa educação traz implicitamente valores e princípios. Então, não basta ser cortês somente com seus amigos ou com quem lhe convém, é preciso tratar bem a todos. Isso deve estar em sua essência para ser um comportamento condizente. Afinal, se por acaso o cliente, que tanto te admira por sua elegância, flagrá-lo maltratando o segurança, toda a sua boa imagem pode se dissolver num piscar de olhos.

Como causar uma boa impressão: seja simpático

A simpatia é uma das atitudes mais importantes para causar uma boa impressão. E antes que os tímidos e introvertidos torçam o nariz, já adiantamos que basta colocar um sorriso sincero no rosto. Desde que seja autêntico, quebra barreiras entre você e o outro, possibilita uma maior aproximação, ajuda a criar um clima amistoso e transmite uma energia positiva.

Como causar uma boa impressão: saiba conversar

Saber conversar é imprescindível para causar uma boa impressão. Para isso, é preciso se atentar a duas simples ações e desenvolvê-las.

  • Ouça – saber ouvir parece algo banal, mas, infelizmente, não é todo mundo que sabe fazer isso. Ou seja, é preciso escutar receptivamente, estar aberto a novas ideias e até mesmo opiniões contrárias, e dedicar toda a sua atenção ao que o seu interlocutor está dizendo. Não basta estar de corpo presente, é preciso se envolver e se interessar verdadeiramente pela fala do outro.
  • Fale – saiba a hora certa para falar e pense antes de dizer. Conversar não é dizer o que vem à cabeça. E ser uma pessoa agradável para dialogar requer articular conteúdos relevantes e interessantes. Por isso, invista em conhecimento: esteja por dentro das novidades, acompanhe as notícias, leia livros, assista a filmes e séries, viva. Todo esse repertório irá te ajudar a conduzir um bate-papo gostoso e formatar no outro uma imagem positiva de você.

Secretariado executivo de sucesso – como chegar lá

Secretariado executivo

Saiba o que secretárias e secretários podem fazer para alavancar a carreira

Secretárias e secretários executivos são cada vez mais vitais em empresas de todos os portes. Afinal, são eles que salvam o escritório, o evento, a reunião e resolvem as mais variadas questões. São responsáveis por organizar, administrar e executar, sem deixar de lado detalhes como a reserva no restaurante para aquele importante almoço de negócios. Além disso, têm sempre uma solução para tudo e muitas vezes, parecem prever o futuro se adiantando em diversas ocasiões. Não é à toa que a profissão vem ganhando respaldo. Com isso, ser um secretariado executivo de sucesso se tornou um importante objetivo a ser alcançado.

Qual é o primeiro passo para o profissional de secretariado executivo alcançar o sucesso?

As mudanças no mundo corporativo, a evolução da carreira e as exigências do mercado têm transformado secretários e secretárias executivos. Por isso, a função ganha notoriedade, novas responsabilidades e poder de liderança. Mas para encarar esse desafio, é preciso ter plena consciência do seu papel enquanto profissional de secretariado executivo.

Reflita sobre o universo do secretariado executivo

O primeiro passo é refletir sobre todo o universo profissional que envolve o secretariado executivo. Isso significa ir além de apenas saber as suas funções e encargos, mas também descobrir como fazer a diferença. É ter um grande compromisso sobre o relacionamento com superiores, pares, subordinados e todo o networking que compõe a posição. Vale a pena pensar também a respeito da sua comunicação, atitudes, ações e reações diante das mais variadas situações e cenários.

Toda essa reflexão ajudará a ampliar a lucidez sobre cada ponto que envolve a sua carreira em secretariado executivo. Secretárias e secretários conhecerão melhor o seu papel frente a todo esse contexto. Por consequência, isso trará ainda outro benefício: o autoconhecimento, que é fundamental para o próprio desenvolvimento.

O autoconhecimento traz clareza à carreira em secretariado executivo

Com o autoconhecimento, se entende melhor o trabalho em secretariado executivo e a importância dentro do contexto corporativo. Ao mesmo tempo, você conhece um pouco mais quem é, como age e reage. Portanto, o próximo passo é analisar de forma honesta, crítica e justa todo esse rico autoconhecimento.

Observe hábitos, atitudes, pensamentos, fraquezas, conquistas, entre outros. Isso ajudará a identificar os pontos de desenvolvimento, o porquê do aprimoramento e como se aperfeiçoar. Daí em diante é só colocar a mão na massa para amadurecer e evoluir o que está aquém do esperado. Não esqueça também de reconhecer suas virtudes e qualidades e cultive-as.

Plano de carreira em secretariado executivo

Com essa reflexão, fica fácil colocar em prática o desenvolvimento em secretariado executivo. Para isso, reveja o seu plano de carreira e busque as suas realizações. Visualize o seu momento atual e aonde quer chegar. Lembre-se de colocar prazos para todas as metas, evitando procrastinar aquela pós-graduação ou aquele treinamento, por exemplo.

Caso não tenha um plano de carreira, este post pode te ajudar a planejar a sua jornada profissional. Assim, o dia a dia ganha outro sentido, a motivação aumenta e as pequenas conquistas te aproximam mais do sucesso.

Como desenvolver a carreira em secretariado executivo

O desenvolvimento envolve diversos processos até se concretizar. Cada pequena meta realizada ao longo da jornada ajuda a conduzir o profissional de secretariado executivo ao sucesso. Nesta etapa, com todo o seu autoconhecimento e planejamento, fica mais fácil se atentar aos três pontos importantíssimos que todo mundo que atua em secretariado executivo deve saber:

  • Atitude: o profissional de secretariado executivo de sucesso precisa de atitudes positivas Isso é universal, valendo desde a forma como você se expressa, como encara diferentes situações, até a maneira como lida com os mais diversos públicos, etc. Esta dica é importantíssima porque atitudes positivas são capazes de transformar o ambiente de trabalho. Além disso, as ações se transformam em proatividade para sugerir, buscar soluções e se adiantar.
  • Relacionamento: faz parte do trabalho em secretariado executivo ter boas relações com superiores, pares, subordinados e profissionais de fora da empresa. Por isso a comunicação e a gestão do relacionamento são primordiais. Nesse quesito, é importante se atentar à prática da escuta receptiva. Também é preciso comunicar-se melhor, falar de forma positiva e conseguir dizer não quando necessário.
  • Ferramentas: por fim, mas não menos importante, é imprescindível aprender a utilizar as ferramentas do secretariado executivo de modo eficaz. Na prática, isso é traduzido nos telefonemas e e-mails assertivos, planejamento de atividades e no conhecimento das condições para realizar uma reunião bem-sucedida. Vale acrescentar ainda a gestão do tempo, distinguir o que é importante do que é urgente e estabelecer prioridades.

Como acelerar o desenvolvimento e ter sucesso em secretariado executivo

Secretárias executivas, secretários executivos e assistentes podem e devem investir em educação para acelerar o seu desenvolvimento. Investir em si mesmo, reciclar-se ou aprender coisas novas são ações muito bem-vindas. A Dynargie Brasil oferece uma série de cursos e treinamentos que te ajudarão a evoluir e, consequentemente, alcançar o sucesso. Além disso, é também uma ótima oportunidade para ampliar o networking, conhecer novos pontos de vista e revigorar a sua própria motivação.

Como ter uma reunião bem-sucedida com o cliente

reunião bem-sucedida

Metodologia da Dynargie permite saber como controlar a negociação, encorajar o “sim” do cliente e obter êxito na venda

Por Carlos Cézar*

Uma reunião bem-sucedida com o cliente é, sem dúvida, o desejo de todo vendedor. Então, se pensarmos que uma negociação comercial é o encontro entre uma pessoa que tem uma demanda e outra que tem a solução, alcançamos nosso objetivo, certo? Talvez. A lógica está correta, mas é claro que essa é uma forma simplista de abordar o assunto. Na prática, nós sabemos que as coisas não são tão fáceis assim, infelizmente. Controlar uma negociação até obter o “sim” é bem mais desafiador. Os bons vendedores que o digam!

Então, como ter uma reunião bem-sucedida? Como desafiar o cliente e fechar negócio? Para responder a esses questionamentos, apresento um flash do Treino para uma Venda Eficaz. Embora seja apenas uma pequena parte, o conteúdo vai te ajudar a bater ou superar as metas.

Conheça o cliente primeiro: reunião bem-sucedida será uma consequência

Você quer uma reunião bem-sucedida com o cliente? Então, antes de visitá-lo, esteja disposto a conhecê-lo primeiro. Não basta empenho apenas durante o encontro, mas também, em todo o trabalho que o antecede. Enganam-se aqueles que menosprezam essa fase e partem logo para o “ataque”. É preciso lembrar que a chave do sucesso está em descobrir e satisfazer as necessidades dos nossos clientes. Portanto, saber quem ele ou ela é será essencial para a nossa vitória!

Planejar e preparar

Antes da reunião bem-sucedida com o cliente temos a preparação e o planejamento. Reúna o máximo de informações sobre o seu prospect, busque dados relevantes, estude o mercado. Isso te dará base para fazer as perguntas certas e escolher a estratégia mais adequada.

Cause uma boa impressão

Cuide de sua apresentação pessoal, cheque se está levando todos os materiais, confira o trajeto, chegue um pouco antes do horário combinado. Tudo isso conta para causar uma boa impressão e dar um passo a mais para ter uma reunião bem-sucedida com o cliente.

Compreenda o seu cliente

Antes de vender ou tentar influenciar o seu cliente, procure compreendê-lo. Para isso, use o método mais rápido e elucidativo: faça perguntas! Comece com “como, por que, quando” até chegar nas expectativas: “o que você espera do produto?”. As respostas poderão te conduzir ao sucesso.

Consolide a sua apresentação rumo à vitória

Uma apresentação cheia de entusiasmo cria uma sinergia durante a reunião com o cliente. Use isso a seu favor e envolva o seu interlocutor. Depois, é só consolidar a argumentação. O segredo aqui é fazer as perguntas certas para que a própria resposta do cliente o convença naturalmente.

Cliente: Nossa, que criativo!
Você: Por quê?

Perceba que a resposta só ajudará a reforçar e cimentar todos os benefícios que o seu produto tem a oferecer. Mas, é importante ressaltar que isso só é possível com a escuta receptiva.

Contorne as objeções e triunfe na venda

As objeções fazem parte do processo – o que não ajuda é desanimar diante delas. Nessa fase, abre-se um espaço para o desafio. Aqui, vamos utilizar o que conhecemos sobre o cliente, da pesquisa até o presente momento, para desafiar o nosso interlocutor. Nessa hora, contornamos mostrando o valor do nosso serviço dentro do contexto de solucionar a questão dele. Oferecemos informações valiosas e descomplicamos todo o processo enfrentado por ele. O preço perde a importância diante da solução. Nesse aspecto, a estratégia se assemelha à do Challenger Sales. Outra saída é driblar a questão com perguntas positivas, demonstrando disposição. “Como posso adequar o meu produto para ajustar às suas necessidades?”

 

*Carlos Cézar é Consultor e sócio na Dynargie Brasil. Conduz consultorias e programas de formação para alta liderança, além de Workshops com uso do LEGO® SERIOUS PLAY™ e BE SAY DO® para definição de Mindset.

Como especulações influenciam atitudes

Muitas atitudes são reações de imagens que fabricamos em nossa cabeça – mas que nem sempre condizem com a realidade

 

Já falamos aqui no blog sobre a importância de causar uma boa impressão e ser bem-sucedido logo nos primeiros cinco minutos de uma reunião. Mas, antes mesmo da ocasião acontecer existem outros tantos minutinhos tão essenciais quanto impressionar o seu cliente. É quando a mente começa a fabricar uma teoria do que vai acontecer ou criar uma figura do nosso interlocutor, e se não estivermos atentos a como especulações influenciam atitudes, todo o esforço feito até aqui pode ruir em segundos.

Para visualizar melhor, vamos imaginar uma situação em que desenhamos o nosso interlocutor como uma pessoa muito importante, cheia de compromissos e pouco amigável. Acrescente também outros elementos a essa concepção do seu prospect:  o peso do nome, do cargo, da empresa, bem como o ambiente em que nos recebe – e o quanto nos faz esperar.

Verdadeira ou não, nossa reação será em função desta criação, isto é, tendemos a acelerar a nossa exposição para tomar dele o menor tempo possível, pedir desculpas inúmeras vezes por usar o seu precioso horário ou enxergar a nós mesmos como um estorvo, um atraso na rotina. E, além de reagirmos dessa maneira, ainda enfrentamos a nossa própria insegurança e a descrença naquilo que estamos oferecendo. Ou seja, todos os pontos ganhos acabam se dissolvendo facilmente com esta entrada catastrófica na negociação.

O fato é que isso faz parte do trabalho do cérebro e, independente da nossa vontade, não há como impedir. Afinal, quantas vezes já nos frustramos esperando por uma coisa e nos deparamos com outra? Então, como controlar os pensamentos e ideias para que não nos prejudiquem? Mais ainda, como utilizar tais concepções de forma positiva?

O primeiro passo é tomar consciência sobre esta influência em nossos atos. Por exemplo, seu colega diz que o chefe quer falar urgente com você. Em milésimos de segundos, já pensamos em mil e uma possibilidades sobre o assunto. Sabendo isso, é importante que recobremos nossa sobriedade e saibamos distinguir o que é uma hipótese do que é real. Muitas vezes, a imagem que produzimos é distorcida da realidade – principalmente para os ansiosos que acabam sofrendo por antecedência. Em seguida, é hora de tornar a sua reflexão um preparo para entrar na conversa com mente e ouvidos abertos e, ao mesmo tempo, estar pronto para receber notícias boas ou ruins.

Caso contrário, podemos nos perder em nós mesmos e por consequência, adotamos um tom defensivo, irritado ou desanimado ao encontrar o gestor. Lembre-se que, se por acaso ele estivesse cogitando conceder aquela promoção tão almejada, uma atitude assim talvez o faça repensar e adiar a oportunidade. O oposto também vale: confiança excessiva de que ganhará o aumento dificulta o diálogo quando a resposta é um “não”.

Para praticar a autoconsciência e ter a nítida noção de que os devaneios de nossa cabeça têm potencial positivo e negativo, seja durante uma venda, seja no dia a dia, procure perceber suas próprias ações e entender a razão de determinados comportamentos e frases ditas. Esteja consciente das imagens preconcebidas e utilize-as para te favorecer.

Como preparar uma reunião eficaz

Como preparar uma reunião eficaz

5 passos para organizar o encontro e colocar em prática as discussões e as soluções propostas

Muitas empresas perdem tempo promovendo encontros que poderiam ser rápidos e produtivos, mas, na prática, são cansativos e demorados. Para evitar que isso aconteça, preparamos este guia com cinco passos básicos sobre como preparar uma reunião eficaz.

1º Passo: objetivo

Comece a preparar a reunião definindo claramente o seu objetivo. Caso contrário, corre-se o risco de não chegar a conclusão alguma, além de desviar o foco dos colaboradores, que pararam seus afazeres sem saber o porquê, o que acaba se tornando perda de tempo e de dinheiro. Por isso, pense exatamente aonde quer chegar e reflita se a ocasião é realmente importante. Afinal, outra vez, se o assunto pode ser resolvido com um simples e-mail, não há razão para realizá-la.

2º Passo: pauta

Após certificar-se da necessidade, é hora de preparar a pauta – um documento base para distribuir aos participantes e nortear o encontro. Liste todos os assuntos a serem discutidos e ordene-os de acordo com a prioridade, colocando as questões mais urgentes primeiro.

3º Passo: participantes

O ideal é evitar reuniões muito cheias, pois a troca de informação e a participação de todos podem ser prejudicadas, assim como a mediação do debate. Pondere as pessoas que verdadeiramente precisam estar lá e os graus de envolvimento em cada tema da ocasião. Assim, cada um saberá a hora de ouvir e a de falar e o encontro ganhará fluidez.

4º Passo: local e material

Zelar por uma sala organizada, previamente arrumada e equipada agrega agilidade. Frequentemente, perde-se um tempo precioso arrumando as mesas, parando as discussões para buscar algo, instalar uma ferramenta ou testar um material audiovisual, enquanto a equipe já está reunida. São movimentos que dispersam a atenção e fazem com que se leve mais tempo para chegar às soluções.

5º Passo: ata

A qualidade e a eficiência de uma reunião são julgadas pela ata, que inclui a definição de quem fará o quê e quando. A discussão precisa ser bem redigida para que se torne o instrumento da continuidade daquele evento, e não mera burocracia. É a partir dela que partem as ações, responsabilidades, novas metas, soluções, prazos e os passos da caminhada em busca do sucesso. Lembre-se: reuniões são estratégicas, e o que deve resultar delas são as ações!

Siga-nos nas redes