Poder – A base de todos os conflitos

O poder é o conceito fundamental das ciências sociais, da mesma forma que a energia é o conceito fundamental da física. Bertrand Russel

Tenho fascínio por esse tema. Em minha experiência como psicólogo, líder organizacional e coach, sempre considerei a questão do poder como central na compreensão das atitudes do ser humano, seja em qualquer contexto das relações.

Representado por sentimentos básicos como ciúmes, inveja, vaidade, medo ou nas reações e estratégias adotadas pelo homem para o domínio ou apenas à busca de um “lugar ao sol”, um sentimento de pertencimento e segurança.

Pais em litígio com filhos pela disputa de bens ou posições em empresas, profissionais que prejudicam colegas em busca de novos e mais altos cargos, patrões que humilham empregados, policiais que abusam da autoridade do cargo; políticos corruptos que se lambuzam com a condição de influência de seus cargos.

Até nas coisas mais simples onde as discussões do cotidiano são baseadas em quem tem mais razão, quem sabe mais, quem disse primeiro. Há estudos que demonstram que o poder é capaz de neutralizar, anestesiar os neurônios espelho, responsáveis pela empatia.

Nos cursos de formação de líderes não vemos esse tema ser discutido, o que me parece, no mínimo, curioso. Compreender a influência do poder nas suas próprias ações, conhecer o impacto que o exercício do poder irá promover em si mesmo, amadurecer seu emocional para lidar com o poder da forma adequada, entender o que esse fenômeno implica nas relações entre as pessoas, são questões de fundamental importância para um líder.

O poder pode ser algo incrível quando bem utilizado. Pode salvar vidas, influenciar pessoas para boas causas, ajudar no desenvolvimento de alunos, colaboradores, atletas. Pode fazer justiça, reverter o rumo de uma empresa ou país para o caminho certo.

Me surpreendi como existem poucos estudos realmente profundos sobre o tema. Em minhas pesquisas sobre este tema, tive a sorte de encontrar um estudo belíssimo, disponível na internet, realizado em uma tese de doutorado pelo autor Carlos José Bernardo da Silva Barracho, dirigido por José Vilas Nogueira. Um estudo amplo e completo sobre o poder intitulado: Estratégias de poder e autoridade em contextos sócio-políticos diferenciados.

Conhecer a si mesmo, passa por saber o uso que se faz do poder. Portanto, recomendo com veemência aos líderes que busquem compreender melhor esse fascinante e determinante aspecto de influência no comportamento humano. É justamente no exercício do poder que costumam vir à tona os defeitos recônditos da alma humana. “O poder revela o homem”, diz Aristóteles.

Maurício de Paula

Texto originalmente publicado na página Gestão de Carreira (Facebook)

 

Qual a importância das reuniões informativas?

Post 2

 

Não é segredo para ninguém que as reuniões de trabalho são peças-chave de uma gestão e uma oportunidade para os profissionais mostrarem o seu talento. Isso, é claro, quando bem preparadas, conduzidas e habilmente utilizadas pelo líder. Mas, muitos ainda têm dúvida sobre a importância das reuniões informativas. Será que elas são realmente necessárias?

Para responder a esta pergunta, é essencial entender que este tipo de encontro objetiva exclusivamente a comunicação e a troca de conhecimento. Por exemplo: o gestor reúne o grupo na intenção de dividir o que aprendeu durante o período em que atuou em uma das filiais fora do país ou para apresentar a dificuldade enfrentada pela companhia e a decisão tomada a respeito.

De maneira geral, as reuniões de informação devem permitir que os colaboradores executem com maior eficácia as suas tarefas e que conheçam e compreendam melhor as necessidades e as metas da empresa, ao situá-los com relação ao andamento dos trabalhos. Consequentemente, isso ajudará no sentimento de integração, tanto com a equipe, como com a corporação.

Dessa forma, a ferramenta não se restringe em apenas notificar com fins estritamente operacionais, ela atua como um dos instrumentos da política de informação, que fomenta a participação. Isso porque tais assembleias satisfazem a necessidade e a legitimidade dos profissionais de querer saber a respeito da vida da companhia em que trabalham (projetos, crises, rumos a serem tomados…) e de aprender pelo compartilhamento de experiências.

Entretanto, este efeito depende da correta condução e da sucessão da regra básica: nenhuma questão deve ser abordada, tampouco, solucionada durante a ocasião. Mas, caso algum ponto extra seja levantado, vale lembrar que é muito mais produtivo e eficaz examiná-lo posteriormente e tratá-lo em um novo ensejo, pois uma discussão necessita de uma preparação e uma condução diferente de uma pura exibição de dados.

 

 

 

 

 

Como vencer as resistências à mudança

Post2

Vivemos na era das constantes transformações no mundo. São fatores econômicos, sociais e tecnológicos que alteram o mercado e os consumidores num piscar de olhos. Com isso, as organizações se vêem obrigadas a trazer novas políticas, estratégias e organogramas para continuarem competitivas.

 Neste cenário, em que implantar outro modelo de gestão e fazer investimentos muitas vezes forçosos parecem suficientemente desafiadores, as empresas se deparam com contratempos que podem ser ainda maiores: as resistências à mudança. Alguns colaboradores, independente do cargo que ocupam, e até mesmo a cultura organizacional tornam-se pontos desfavoráveis aos ajustes, dificultando ainda mais o processo.

 Isso porque as pessoas já estão acostumadas com uma rotina de trabalho, colegas e a política da companhia. Mudar gera certa relutância devido ao medo (especialmente do desconhecido), a insegurança de perder o emprego ou de não estar capacitado, a defesa de interesses próprios, mal-entendidos ou julgamentos distintos sobre os fatos. Com isso, o profissional acaba manifestando seu contragosto no comportamento e conduta, resultando em baixa produtividade, desmotivação ou sabotagem, comprometendo os resultados.

 Para reverter este quadro, é imprescindível que o líder tenha coragem, para agir de maneira assertiva, e empatia, para fazer seus colaboradores operarem no novo rumo. O equilíbrio entre essas duas características será primordial na hora de buscar adesão, reunir formadores de opiniões e, sobretudo, colocar em prática e conquistar o sucesso.

 O primeiro passo é deixar claro o objetivo e as diretrizes a serem desenhadas daqui para frente, mostrando que as transformações podem ser encaradas como uma oportunidade de crescimento, não só para a empresa, mas também, para o indivíduo.

 Nessa fase, é importante estar disponível e pronto para ajudar, bem como, escutar a opinião ou os desabafos dos membros do setor. Levar em consideração o que pensam ou dar autonomia é uma forma de mostrar consideração e credibilidade na equipe, no intuito de recuperar a confiança e despertar atitudes positivas.

 Outra estratégia é trazer a participação dos profissionais na solução a ser implantada, ainda que a decisão final seja apenas das funções de liderança. Ao se envolverem, sentindo-se responsável no processo, elevam a autoestima e, sem perceber, dissolvem a oposição inicial.

 A consolidação da mudança é finalizada com o reconhecimento do desempenho em cada etapa, seja através de elogios, bônus e promoções, celebrando os resultados satisfatórios.

 

 

Equilibrando diretividade e participação na liderança

post3

O gestor que souber satisfazer os interesses da equipe e da corporação conquistará o desafio do futuro

 “Como ser um bom líder” é um dos temas mais procurados dentro do universo corporativo. As transformações do mundo trouxeram desafios mais complexos ao cargo – especialmente quando o objetivo é exercer bem o papel. O chefe completamente autoritário e a passividade da equipe tornaram-se histórias do passado. Hoje, com o maior acesso à informação e aos estudos, a equipe não se contenta em somente obedecer ao seu superior, assim como, um gestor não tem apenas a função de delegar tarefas.

 Dentro deste cenário cada vez mais exigente, é preciso entender que o colaborador da atualidade quer expressar a sua opinião e também tem objetivos profissionais e pessoais. É necessário compreender os interesses da empresa e do setor, os quais são de responsabilidade da liderança defender, além de suas metas pessoais dentro da carreira. Ou seja, um dos segredos para o exercício de uma boa gestão é considerar todas essas necessidades e dirigi-las de modo a convergi-las e conciliá-las.

 Para isso, o líder deve ter uma atitude participativa e uma atitude diretiva perante a sua equipe. Embora pareçam contraditórias, é o equilíbrio delas o fator primordial na busca de motivação e dedicação dos colaboradores às suas tarefas, uma vez que todos os interesses (colaborador, corporação e gestor) estão sendo considerados na condução dos trabalhos.

 Mas, o que isso quer dizer?

 Uma atitude participativa exige da liderança disponibilidade e receptividade para com os integrantes de sua equipe. Há situações em que é realmente benéfico conceder a oportunidade de serem ouvidos, possibilitando que façam sugestões ou propostas. Isso fará com que se sintam importantes no processo, contribuindo na autoestima do indivíduo e na motivação, além de estimular a inteligência e criatividade em buscar novas soluções e projetos. O superior também poderá ganhar com possíveis insights ou uma reflexão relevante.

 Por outro lado, existem situações que a conduta da corporação precisa de uma postura mais firme do gestor, como por exemplo, no caso em que interesses estão em jogo ou há algum tipo de conflito. É o caso para ter uma atitude diretiva, em que é preciso ter coragem para tomar a decisão e às vezes, usar de sua autoridade para encarar a questão. O grande desafio neste posicionamento é ganhar a confiança da equipe, que muitas vezes exige muito mais para obedecer às ordens. Para isso, é necessário demonstrar (e ter) competência, justificando o cargo, e dar o exemplo aos seus colaboradores.

 Em outras palavras, ele aceita as imposições do chefe de maneira mais satisfatória quando se sente seguro por quem está sendo dirigido, pois, sabe que a liderança é capacitada, exemplar e respeita o indivíduo.

 

6 dicas para ser mais positivo

Post blog

Confira algumas dicas para agregar positividade ao seu dia a dia e qualidade à sua vida

Atitude Positiva é muito mais que um dos valores que compõem o Human Side of Business. Construir, melhorar, pensar no futuro, procurar soluções, encarar os obstáculos como trampolins são ações de impacto positivo em diversas esferas e que agregam qualidade de vida.

Isso só é possível quando assumimos a responsabilidade por permitir a perda de energia pelo acúmulo de mágoas ou arrependimentos, ficar se comparando com os outros e por toda a gama de comportamentos que não beneficiam ninguém – muito pelo contrário.

Para ser positivo, transforme “se” em “como” e “ontem” por “amanhã”!

Confira algumas dicas que preparamos para que o seu dia a dia tenha mais positividade. Experimente e perceba a diferença!

 1 – Inspire-se

Na busca por inspiração, é fundamental buscar o que ajude a levantar o astral e manter o foco naquilo que realmente é importante pra você. Estão valendo pessoas, músicas, leituras, filmes ou outro recurso com que se tenha mais afinidade, podendo ser até mesmo frases motivacionais de biscoito chinês.

2 – Pratique exercícios

A prática de atividade física proporciona o aumento da serotonina, neurotransmissor responsável pelo bom humor. Mas a influência positiva de exercitar o corpo vai além do estado de espírito e da melhoria da aparência: diminui a chance de desenvolver algumas doenças crônicas, aprimora o sono e a memória, reduz o estresse, combate a depressão e muito mais.

3 – Cuide de si mesmo

Não se negligencie e reserve um tempo para você. Faça aquilo que gosta, descanse, tenha um hobby, encontre os amigos. Vivenciar momentos agradáveis e prazerosos, mesmo que breves, mas com certa frequência, ajuda a manter a saúde física e mental, garantindo energia positiva ao seu cotidiano.

4 – Seja grato

Não há como escapar do chavão: em vez de reclamar do que lhe falta, agradeça o que você tem. Se as coisas ainda não estão do jeito que você deseja, procure agir. Faça uma lista das suas conquistas até agora e planeje seu futuro. Assuma o papel de protagonista: chegar lá depende, em grande parte, de você mesmo.

5 – Elogie os outros

Em condições saudáveis, todo mundo tem uma coisa boa dentro de si. Procure sempre algo positivo nos outros e elogie-os. Você irá se habituar a encontrar beleza das pessoas. 

6 – “Contagie” os outros

Espalhe positividade para as pessoas e recarregue-se fazendo bem a elas. A parte mais bacana de ser positivo é a oportunidade de contribuir na construção de um mundo melhor para todos!

Siga-nos nas redes