O potencial humano e as tendências da tecnologia (parte 2)

tendências da tecnologia

 

Relatório de Mary Meeker sobre a internet mostra as tendências da tecnologia e o desenvolvimento das pessoas nesses avanços

Que a internet é essencial para a nossa vida pessoal e profissional não é segredo para ninguém. Mas, como as tendências da tecnologia estão transformando o nosso cotidiano e o que esperar do futuro não são coisas tão óbvias assim. Por isso, o potencial humano e a tecnologia são assuntos tão relevantes abordados no relatório anual de Mary Meeker. A ex-analista de títulos de Wall Street apresentou um conteúdo intenso e cheio de insights.

Com tamanha riqueza de informações, dividimos a análise em dois posts. A primeira parte, você confere aqui. E para quem já leu, veja seguir a segunda parte com mais informações sobre as tendências da tecnologia.

As tendências da tecnologia = novos desejos, novos anseios

Da invenção da roda, passando pela descoberta de outros planetas até a incrível tecnologia da atualidade, a evolução sempre aconteceu. E cada vez que o potencial humano se desenvolve surgem novas possibilidades e transformações. E não estamos falando apenas de engenhos inovadores, mas de anseios e desejos que crescem com os avanços.

Hoje, as pessoas mudariam de emprego para ter horários flexíveis ou trabalhar de casa. Duas aspirações não monetárias que chamam a atenção e mostram a mudança de comportamento na era atual. Antes, o desejo podia até existir, mas não era fácil realizá-lo como na atualidade. Hoje, graças à internet, esse cenário se tornou possível de se almejar e alcançar.

As tendências da tecnologia = novas possibilidades

Da mesma maneira que algumas carreiras foram extintas, outros caminhos foram abertos. As tendências da tecnologia trouxeram novas possibilidades profissionais. Com a internet, o trabalho freelance vem ganhando cada vez mais espaço.

De acordo com os dados apresentados por Mary Meeker, a força de trabalho está em pleno crescimento. Também está cada vez mais fácil encontrar serviços nesse quesito. Profissionais autônomos, micro e pequenos empresários encontram outras opções e crescem a todo vapor.

Com a internet, o home office se torna cada vez mais realidade

Em paralelo e em função da internet, o home office segue na mesma direção, tornando-se algo comum em empresas diversas. Basta pensar que um arquivo na nuvem pode ser acessado de qualquer computador, em qualquer lugar do mundo, por exemplo. Ou seja, não precisamos necessariamente estar no escritório para fazermos o nosso serviço.

As tendências da tecnologia = economia sob demanda

As tendências da tecnologia também lançaram a economia sob demanda. Uma tendência colaborativa, compartilhada e inovadora que surge para atender uma necessidade. Em menos de uma década, essa modalidade tem demonstrando um crescimento contínuo e considerável no mundo todo.

Todo esse movimento tecnológico e o desenvolvimento do potencial humano vêm transformando o cenário. Se antes a relação era entre empresas e consumidores, hoje estamos lidando com uma troca de bens e serviços entre indivíduos. Essa influência atinge várias esferas, desde nosso comportamento até a economia mundial.

Benefícios ao consumidor e ao trabalhador

Startups como Uber e Airbnb são ótimos exemplos dessa nossa modalidade econômica. Essas empresas vêm ganhando popularidade e crescimento. Afinal, muitas pessoas já não vivem mais sem esses novos serviços e clamam por mais inovações do gênero. Ao mesmo tempo, esse sucesso abre portas para outros avanços tecnológicos e ideias criativas. A concorrência corre atrás, enquanto mentes ávidas correm para serem precursoras de novas tendências.

 

Trabalhadores por demanda

Se startups ascendem, torna-se relevante também o número de trabalhadores por demanda. Vale acrescentar ainda que a economia sob demanda e o trabalho freelance permitem que a atuação seja exercida tanto como fonte principal de renda, como também, um extra. Benefícios esses que proporcionam uma série de vantagens para o consumidor e para o trabalhador.

Com esse modelo, é o próprio profissional quem decide quando quer ou não trabalhar. Ele ganha a autonomia, flexibilidade e controle de agenda tão almejados e discutidos no início deste post. É quase uma conquista da liberdade e a quebra de paradigmas do modelo tradicional.

Potencial humano gera tecnologia, avanços e progresso

Já alcançamos e ultrapassamos alguns filmes que falavam sobre o futuro. E olha que esses longas-metragens nem são tão velhos assim. Isso mostra que o potencial humano está a todo vapor e que essa era das transformações ainda trará mais e mais novidades num curto período. Os avanços não param e o progresso caminha a passos largos.

Embora o mundo digital ainda seja algo novo e não tão fácil de implementar, a tecnologia é uma realidade. Hoje, o celular vai bem além de fazer e receber ligações e com inteligência artificial é possível obter muito mais conteúdo do que podemos imaginar. Todas essas informações e desenvolvimento têm mudado a nossa forma de agir e a operação de milhares de empresas. Diante desse contexto, é preciso se reinventar para conseguir prosperar daqui para frente. Companhias e profissionais encaram hoje uma grande mudança ou o começo do futuro.

 

O potencial humano e a tecnologia (parte 1)

O potencial humano e a tecnologia

Relatório de Mary Meeker sobre a internet mostra as tendências da tecnologia e o desenvolvimento das pessoas nesses avanços

É indiscutível que a evolução tecnológica influencia diretamente em nosso modo de vida. Por essa razão, o mundo todo aguarda ansioso para escutar a poderosa Mary Meeker. Anualmente, a ex-analista de títulos de Wall Street é responsável por apresentar o relatório de tendências da internet. O conteúdo é denso e enriquecedor para todos os setores, e não só para quem atua com a web. Neste ano, dentre os diversos assuntos, destacamos a análise sobre o potencial humano diante da tecnologia.

Mary Meeker aponta em sua apresentação os motores do desenvolvimento econômico. Sua análise traz dados desde o século passado até os anos mais recentes. Tudo isso para abordar de forma lúcida o que vem acontecendo com o campo, a indústria e o poder computacional. Afinal, será que no futuro os robôs dominarão o mundo?

Quem é Mary Meeker

Para entender as análises sobre o potencial humano e a tecnologia, precisamos conhecer antes quem é a mulher por trás desse estudo. Mary Meeker é, para uns, uma verdadeira bruxa, pela sua incrível capacidade de enxergar o presente e prever o futuro. Por essa mesma destreza é também considerada a Rainha da Internet. Mas o que ela realmente faz nada tem a ver com bruxaria ou reinado. “Sou uma investidora – em pessoas, ideias e negócios”, diz Mary Meeker.

Em seu currículo, traz a experiência em atuar em grandes bancos de investimentos, o Salomon Brothers e o Morgan Stanley. Foi uma das poucas analistas de Wall Street a ganhar notoriedade através de suas pesquisas com foco em tecnologia. Em 2010, uma mudança na sua carreira trouxe um novo desafio que encara até hoje: é sócia da Kleiner Perkins Caufield & Byers. A carreira brilhante e bem-sucedida colocou Meeker na lista da Forbes, como a 77ª mulher mais poderosa do mundo.

As mudanças do mundo digital

Um dos assuntos abordados no relatório de 294 páginas de Mary Meeker é o potencial humano e a tecnologia. O tema é levantado com dados que expressam os avanços tecnológicos ao longo dos anos. A inegável presença de mais e novos produtos traça os impactos e uma viagem sem passagem de volta rumo ao futuro.

Em casa, no trabalho, nas cidades e nos campos, a tecnologia se mostra presente. É claro que isso não é nenhuma novidade. Entretanto, o que os dados mostram é a presença digital cada vez maior e com grande aceleração. Tudo isso apenas confirma a era das transformações com o empurrãozinho da internet.

Os impactos da tecnologia nos empregos

Historicamente, a evolução da vida acontece desde os primórdios. Os desafios que intrigam o homem têm estimulado o potencial humano e provocado as transformações evolutivas. De acordo com o relatório, atualmente, progresso ganha ritmo contínuo, fazendo do mundo digital uma inevitável realidade.

A extinção de empregos

Todo esse desenvolvimento impacta em diversos aspectos o nosso dia a dia. Um quesito, em especial, está diretamente ligado ao potencial humano diante do mundo digital: o trabalho. Com a evolução, muitos empregos que atravessaram séculos não conseguiram resistir e permanecer na era das mudanças.

No Brasil, a produção de cana de açúcar é um nicho que ilustra bem esse contexto. Hoje, máquinas substituem milhares de cortadores de cana, que por anos trabalharam arduamente debaixo de sol. Com a tecnologia, um único operador se tornou capaz de fazer a mesma atividade que diversos homens e mulheres realizavam no passado. Embora ainda existam trabalhadores nessa função, a escassez de vagas se torna mais evidente a cada dia.

A criação de empregos

Enquanto alguns empregos se tornam parte do passado, outras ocupações são o presente e o futuro. Por séculos a agricultura foi a principal fonte laboral, mas hoje, o crescimento se apresenta bastante diferente. Esse posto foi passado para o setor de serviços, que está a todo vapor. Afinal, o potencial humano diante da tecnologia se reinventa e explora outras estradas.

Frente a tantas transformações, novas posições foram naturalmente criadas no mercado de trabalho. Os social medias que o digam, um ofício do século XXI que elucida bem a atualidade. É uma espécie de resumo das revoluções e impactos concebidos pela tecnologia no mundo todo. De quebra, além do trabalho, também inclui a vida pessoal de cada pessoa.

O tema pode trazer à tona também o conflito de gerações, que costuma enlouquecer os profissionais de RH. Os avanços da ciência geram pessoas diferentes a cada década – talvez, a cada ano daqui para frente. Por essa razão, lidar com profissionais de diferentes épocas é uma pauta bastante recorrente. A influência de toda a tecnologia surpreende toda a cadeia. Um bom exemplo disso está em uma pergunta simples: quantos pais ou avós entendem verdadeiramente as novas profissões?

Evolução global

De forma lúcida e com grande maestria, Mary Meeker esclarece uma evolução tecnológica global. Embora os dados apresentados sejam baseados no cenário norte-americano, a realidade é mundial. Tanto é que a repercussão desse relatório ecoa em todos os países, com belos encaixes. Isso inclui também o Brasil, que se adequa muito bem aos desenhos formados pelos gráficos publicados.

Ainda há mais alguns pontos importantes sobre o potencial humano apontado no relatório que merecem ser discutidos. Por isso, em nosso próximo post, você vai conferir a segunda parte desta publicação. O futuro está logo ali e saber das tendências é primordial para viver os novos tempos e aproveitar a era das transformações. Aguarde!

O que Big Data tem a ver com o RH?

O que Big Data tem a ver com o RH?

O Big Data ganha cada vez mais força e promete transformar o RH

Diariamente, a cada segundo, o mundo produz trilhões de ações, as quais, na era da tecnologia, se transformam em informações valiosíssimas. Elas têm o poder de antecipar os próximos passos do mercado, permitir conhecer melhor o seu cliente e o seu prospect, compreender o comportamento do consumidor, preparar as empresas para alguma crise (no país, setor, no mundo…), acompanhar a concorrência e muito mais. É a era do Big Data! Mas, o que isso tem a ver com o RH? Como o departamento poderá usufruir desse recurso?

Antes de responder, vamos apenas esclarecer que o termo Big Data é utilizado para descrever um grande – na verdade, um imenso volume de dados gerados por fontes diversas, como redes sociais, internet, transações financeiras, entre outros. Mas não é a quantidade que realmente importa, mas sim, o que se faz com essa enorme montanha de conteúdo, ou seja, a análise, os insights, a obtenção de conhecimentos e as medidas tomadas a partir deles.

O Big Data e o RH

No departamento de Recursos Humanos, o Big Data ainda é uma novidade que ganha cada vez mais força e promete transformar para sempre o setor, colocando-o em um patamar mais estratégico na gestão de pessoas. Isso porque essa gigantesca massa de informações sobre as conexões, interações, ações e reações permitirá compreender melhor homens e mulheres com uma precisão maior que apenas o feeling.

É claro que a experiência ainda conta; entretanto, a tecnologia dará maior precisão em todos os processos, avaliações e principalmente em tomadas de decisões. Em tempos de constantes mudanças e com as novas gerações no mercado, a leitura desses dados, feita através de metodologias como o People Analytics, passa a valer ouro na busca por mais produtividade e por soluções efetivas para resolver duas grandes urgências do RH: recrutamento e retenção de talentos.

Tudo isso é uma realidade e é também, o futuro. O uso dos computadores se mostra cada vez mais presente em toda a companhia. O grande desafio agora é aprender a programar essas máquinas, usar com inteligência e precisão essa imensidão de informações e saber explorar o leque de possibilidades que se abre a partir delas. Afinal, apesar dos avanços tecnológicos, por enquanto, as empresas continuam sendo feitas por pessoas e para pessoas.

Como potencializar a vantagem competitiva na área comercial com a tecnologia?

 

Reunião Conjunta dos Comitês de Tecnologia da Informação e de Comunicações e Vendas da AMCHAM discute desafios e oportunidades do uso da tecnologia em vendas

Como potencializar a vantagem competitiva na área comercial com a tecnologia? Quais os desafios e oportunidades da parceria entre as áreas de TI e vendas? Como fazer investimentos mais eficientes e ferramentas e soluções tecnológicas? Para responder a estas perguntas, a AMCHAM (American Chamber of Commerce for Brazil) promoveu uma reunião conjunta entre o Comitê de Tecnologia da Informação e Comunicações e o Comitê de Vendas & Distribuição, no dia 11 de abril, em São Paulo.

Com o patrocínio da Dynargie Brasil, o evento contou com a presença dos convidados David Morell – sócio de Digital e CX da PwC, Renato Barbieri – diretor de Sales and Marketing da Hewlett Packard, Antônio Roncolati – diretor de vendas da Goodyear e Luis Hamilton – ITS BP Latam & ITS Community Leader da Sanofi, que apresentaram cases, compartilharam experiências e debateram o assunto com o público.

A relevância da pauta reforçou a presença dos avanços tecnológicos e seus benefícios aos negócios. Ao trazer este uso para a área comercial tanto de forma direta, como indireta, o departamento ganha um enorme potencial para alavancar a produtividade e impulsionar os resultados. Mais ainda, é possível aumentar a vantagem competitiva no mercado e elevar os ganhos da empresa.

Para transformar isso em realidade, um dos caminhos apresentados está em entender o cotidiano e os desafios da companhia, os profissionais envolvidos, abrir a mente e olhar as coisas por uma nova perspectiva. O próximo passo é identificar a questão que merece atenção e buscar soluções e inovações para ela. Depois, é estudar, propor, criar, errar, acertar, planejar e investir quando tudo estiver certo.

Existem diversas possibilidades, como software, aplicativo e sistema, que com criatividade podem se adequar à sua demanda.  Quando se cria, por exemplo, uma alternativa que facilite o processo de negociação, os vendedores conseguem focar muito mais no relacionamento com clientes e prospects, fortalecendo transações ganha-ganha, resultando em maior fidelização, recompra, oportunidades de novos negócios e geração de valor.

Os desafios dos líderes diante das transformações

AMCHAM promoveu encontro com especialistas que debateram o assunto, mostrando cases de sucesso e as necessidades de se adaptar às mudanças

O Comitê de Gestão de Pessoas da AMCHAM (American Chamber of Commerce for Brazil), com o patrocínio da Dynargie Brasil, colocou em pauta os desafios dos líderes diante das transformações nas organizações. Realizado no dia 26 de abril, o evento contou com a participação dos executivos Francisco Fortes, vice-presidente executivo de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional da Gerdau, Vanessa Lobato, vice-presidente de RH do Banco Santander, e Guilherme Rhinow, diretor de RH da Johnson & Johnson, que discutiram o assunto sob mediação de Fátima Marques, diretora regional da Korn Ferry/ Hay Group para a América do Sul.

A evolução social e as mudanças de comportamento humano em um cenário cada vez mais amplo e globalizado, diante de uma crise política e econômica no país, têm mostrado exponencialmente a importância do papel das lideranças, exigindo suas habilidades em lidar com essa era de transição na gestão de pessoas.

“A primeira coisa que um líder tem que fazer é inspirar, tirar as pessoas da zona de conforto. Mostrar um futuro promissor”, define Fortes. Para ele, é preciso ser o exemplo a ser seguido por ações, e não só por palavras, transmitindo confiança para que os profissionais vençam desafios. “E a segunda coisa é dar empowerment, deixar as pessoas trabalharem”, conclui.

Na Gerdau, uma das formas de empoderar o colaborador foi reduzir o número de regras e dar mais autonomia, uma vez que as coisas acontecem muito rápido. Além de usar a tecnologia e smartphones como ferramentas de trabalho e promover o relacionamento com startups, dar mais abertura a diálogos com as novas gerações. De acordo com o vice-presidente executivo de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional da empresa, “um líder também tem que ser um coach. Porque os jovens te olham e ouvem com muita atenção, estão sedentos por isso. É com essa batida que estamos desenvolvendo nossos líderes”.

Já no Santander, as transformações e a tecnologia mudaram bastante, tanto a forma de se relacionar com a sua grande diversidade de clientes, como também, o dia a dia. Antes, projetos que levariam um ano e meio até a conclusão, hoje precisam ficar prontos em três meses. Com as inovações adotadas, o ambiente de trabalho ganhou um conceito mais moderno, sem deixar de ser banco.

Neste contexto, a organização acredita que um líder deve reunir sete competências: garra, empreendedorismo, confiabilidade, inteligência emocional, ser influenciador, colaborativo e desenvolvedor de pessoas. É preciso fazer as coisas acontecerem e ter a visão de que momentos instáveis da economia são passageiros. “A hora é de rever o negócio e suas oportunidades. Vale o olhar do novo, de se reinventar, incentivar e dar coragem aos colaboradores”, afirma.

E o que a Johnson & Johnson está fazendo neste período turbulento? “Estamos mantendo as mesmas premissas de desenvolvimento, que sempre tivemos e que mantemos em todos os países do mundo. Isso acontece na crise e em momentos de abundância. É preciso pensar no impacto que uma organização como essa tem no futuro. Uma pesquisa de produto de nossa área farmacêutica leva sete anos, por exemplo. Então, não posso ficar sujeito às volatilidades macroeconômicas”, argumenta Rhinow. Para ele, o líder é a expressão da proposta de valor da organização para cada um dos colaboradores da companhia.

Com todas essas explanações, fica claro que o papel dos cargos de liderança é fundamental para a evolução e transformação das empresas. Por essa razão, Marques, da Korn Ferry/ Hay Group, ressalta a importância do treinamento e da preparação dos profissionais em todos os níveis –  independentemente se são vice-presidentes, gerentes ou seniores, é preciso investir no seu desenvolvimento para que eles possam liderar de forma primorosa.

Siga-nos nas redes