Por que investir no capital humano

Capital Humano

Saber como investir no capital humano é importantíssimo para manter o sucesso da empresa. Afinal, hoje as empresas não são mais avaliadas somente pela qualidade de seus produtos ou serviços, mas também por sua gestão. Os profissionais da atualidade valorizam locais que promovem desenvolvimento, aprendizado e ambientes de trabalho agradáveis.

O que é capital humano?

Antes de falarmos sobre investimento em capital humano, é importante esclarecer o significado deste termo. Muito usado no mundo corporativo, o capital humano é o conjunto de conhecimento, experiência, habilidade e competência que cada indivíduo traz para a execução do seu trabalho – trabalho esse que, por sua vez, irá gerar valores financeiros para a empresa.

Como sempre dizemos aqui no blog e em nossos treinamentos: “empresas são feitas de pessoas para pessoas”. É o lado humano dos negócios que gera capital através de todo o background e personalidade das pessoas. Ou seja, por mais que os avanços da tecnologia estejam a todo vapor e surjam novos modelos de negócios, é o capital humano das organizações que está fazendo tudo isso acontecer.

Por que investir no capital humano?

A resposta é bem simples: investir no capital humano é desenvolver a própria empresa. São as pessoas que estão por trás de todo o andamento dos projetos, das negociações e de todo o sucesso do empreendimento. E é justamente por isso que muitas organizações estão (ou deveriam estar) em um processo de transformação.

Os líderes já perceberam que os tempos mudaram, especialmente com as novas gerações. E hoje, o mundo corporativo grita por investimento em capital humano para lidar com essas mudanças. Mas isso não significa apenas aumento de salário ou benefícios, mas proporcionar experiências de trabalho mais agradáveis aos seus colaboradores. E nesse sentido, há muitas ideias simples que podem trazer resultados incríveis.

4 razões para investir no capital humano

Investir no capital humano aumenta a produtividade e o engajamento dos colaboradores

Diversas pesquisas já comprovaram que investir no capital humano aumenta a produtividade e o engajamento dos colaboradores. E por que não dizer também que eleva a notoriedade da empresa? Enfim, não é à toa que as companhias eleitas como melhores para se trabalhar estão também nos rankings de sucesso empresarial.

Mas como isso é possível? Porque ao investir no capital humano, as organizações estão proporcionando uma série de benefícios aos seus colaboradores. Os profissionais se sentem mais valorizados e atuam em um ambiente mais propício para evoluir. Todo esse clima favorece a satisfação, a motivação, o empenho e a dedicação. Com esses elementos, é até redundante dizer que melhora a produção, a criatividade e a solução de problemas.

Investir no capital humano é investir na retenção de talentos

A retenção de talentos é um desafio no mundo todo. Por isso, uma das maneiras de manter os melhores profissionais na casa é investir no capital humano. Hoje, mais do que salário, as pessoas buscam empregos que preencham suas vidas, valorizem seu empenho e proporcionem desenvolvimento profissional. E tudo isso dentro de um ambiente de trabalho agradável.

Uma pesquisa publicada pela Work Institute revelou as razões que levaram os colaboradores a pedirem demissão. Enquanto muitos gestores acreditavam que se tratava de remuneração, os resultados apresentaram questões mais consistentes: oportunidades de desenvolvimento de carreira, equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e má gestão. Isso mostra claramente que as organizações que não se preocupam com o seu pessoal estão fadadas a enfrentar a saída constante de bons funcionários.

Todo esse conteúdo já atesta a importância do investimento no capital humano como forma de reter talentos. Mas para quem ainda não se convenceu, vale mostrar ainda que o relatório estimou que serão gastos cerca de US$ 680 bilhões até 2020 com o turnover. Então, que tal evitar esse custo e usá-lo para investir no capital humano, ou seja, na própria empresa?

Investir no capital humano beneficia a sua marca

Dizer que investir no capital humano significa beneficiar a sua própria marca parece estranho para algumas pessoas. Mas existe uma relação direta, uma vez que a sociedade está cada vez mais crítica. A forma como as organizações tratam os seus colaboradores tem um grande impacto na escolha do consumidor. Ou seja, é capaz de influenciar a saúde financeira, tanto de forma positiva, como negativa.

Quando a Dynargie foi criada, em 1982, trazendo a filosofia do “human side of business”, parecia antever as transformações do mundo atual. Hoje, mais do que oferecer um bom produto ou serviço, as pessoas levam em consideração uma série quesitos, inclusive, o seu investimento no capital humano. Quem negligencia, além de correr o risco de não atingir resultados excelentes, pode não passar pelo crivo do cliente. E não adianta tentar esconder atrás das paredes de sua sala, pois em tempos de redes sociais e internet, as notícias correm rapidamente para fora do escritório.

Investir no capital humano é ampliar o retorno sobre investimento (ROI)

Os mais conservadores podem até torcer o nariz, mas investir no capital humano é ampliar o retorno sobre investimento (ROI). Isso porque todo o investimento aplicado nas pessoas reflete em diversos aspectos no trabalho. Consequentemente, obtém-se mais qualidade, satisfação e o que fazem os olhos dos empresários brilharem: lucro.

Quando o investimento no capital humano é feito através da educação, por exemplo, o conhecimento e as habilidades adquiridas no treinamento são colocados em prática na organização. Isso traz melhorias não só para o dia a dia ou para a qualidade do projeto, mas também na autoestima do colaborador. Ganhar um curso faz com que o profissional se sinta valorizado, por ter alguém apostando nele e no seu crescimento. Isso ajuda também a mantê-lo por mais tempo em seu emprego. Logo, a companhia consegue o seu ROI de volta.

E para quem ainda não se convenceu, vale pontuar que nem sempre é preciso colocar grandes quantias de dinheiro. Há diversas maneiras, e às vezes com custo zero, que podem se transformar em investimento no capital humano. Quer um exemplo? Proporcionar aprendizado dentro da empresa, utilizando os próprios colaboradores como professores. Essa troca de experiência pode ser bastante enriquecedora e prazerosa, além de entrosar a equipe e fortalecer o networking. E só para reforçar, com mais informações, a qualidade do projeto é melhorada e novas soluções são incentivadas. Ou seja, a aplicação traz bons retornos.

Como o engajamento da equipe de vendas traz sucesso nos negócios

engajamento da equipe de vendas

Vender é sempre o objetivo. Não é à toa que pipocam dicas para alavancar os negócios nesse ramo. Mas às vezes o segredo do sucesso não está somente nas técnicas, mas no engajamento da equipe de vendas. Precisamos lembrar que os negócios são feitos por pessoas. Logo, são as pessoas que farão toda a diferença. Por isso que quando elas estão cabisbaixas, insatisfeitas e desmotivadas, nem mesmo a mais brilhante metodologia é capaz de trazer resultado.

A importância do engajamento da equipe de vendas é real. É também um desafio, afinal, não é uma tarefa fácil manter a energia alta dos colaboradores todos os dias. Mas, é imprescindível. E por mais difícil que seja, todo o esforço vale a pena e tem um potencial enorme para trazer resultados. Então, que tal olhar para os profissionais por trás dos negócios?

Por que o engajamento da equipe de vendas traz sucesso para os negócios?

Empresas são feitas de pessoas para pessoas. Portanto, o empenho e a dedicação dos profissionais estão diretamente ligados às vitórias da companhia. Ou seja, o engajamento da equipe de vendas faz toda a diferença para fechar ou não os negócios. Colaboradores felizes são mais produtivos, trabalham com mais empenho, zelam pela qualidade e atuam com um propósito.

Em um coletivo, a energia positiva é contagiosa. O engajamento da equipe de vendas resulta em profissionais empenhados e motivados. Esse espírito é propagado em todo o setor. Quase sem querer, um colega acaba incentivando o outro. Nesse cenário, o sucesso não é resultado, mas uma consequência de um trabalho primoroso em zelar pelas pessoas.

O desafio do engajamento da equipe de vendas

Essa sinergia que o engajamento da equipe de vendas traz pode soar um pouco utópica para muitos. E não é para menos. Sabemos que no dia a dia estamos sempre na correria, preocupados com as planilhas, estressados com as metas e ansiosos para fechar negócio. Quase não sobra tempo para se dedicar a nós mesmos, seja como vendedores, seja como líderes. E infelizmente essa é a verdade mais cruel de se encarar diante das adversidades de vender mais.

É realmente um desafio promover o engajamento da equipe de vendas. Ainda mais em tempos difíceis da economia. Entretanto, vale ressaltar que essa dedicação vale a pena! Esse olhar humano é extremamente benéfico:

  • Aumenta a confiança e a autoestima da equipe;
  • Promove motivação e otimismo;
  • Incita a perseverança, mesmo após receber um não;
  • Reforça o espírito de equipe em busca de um único objetivo;
  • Traz satisfação no trabalho realizado;
  • Constrói um propósito maior em sua tarefa;

Como promover o engajamento da equipe de vendas?

O desafio de promover o engajamento da equipe vendas é grande, mas sabemos que vale a pena e que há inúmero benefícios. Agora, resta saber como fazer isso acontecer! Então, confira algumas sugestões simples de serem implantadas e perfeitas para colocar em prática hoje mesmo.

Engajamento da equipe de vendas: treinamento

Os treinamentos são ótimos recursos para engajar a equipe de vendas. Você pode até estar pensando que soa confusa essa afirmação após um discurso de que as ações devem ir além da técnica. A questão é que o aprendizado é uma forma bastante eficaz de motivar os colaboradores. Conhecer novas formas de vendas, estar de frente com outros pontos de vista, trocar ideias, ampliar o networking durante o curso é muito revigorante. Isso ajuda o profissional a renovar os ares, se reinventar e ganhar um fôlego a mais para se dedicar ao trabalho.

Como se tudo isso não fosse suficiente, ainda há um outro bônus: cuidado com o colaborador. Prover cursos e treinamentos é uma demonstração de investimento e apreço por ele. Isso constrói uma afetividade com a empresa. O sentimento de gratidão pelo gesto é refletido no empenho e na vontade de colocar em prática o conhecimento adquirido.

Engajamento da equipe de vendas: escuta receptiva

A escuta receptiva é primordial para o engajamento da equipe vendas. É, sem dúvida, o primeiro passo dessa empreitada. Ouvir e ser ouvido é fundamental para que a comunicação aconteça, o relacionamento cresça e as ideias apareçam. Portanto, ouça o que os vendedores têm a dizer e incentive também a escuta receptiva entre eles também.

Criar esse clima participativo e próximo entre pares e superiores pode ajudar muito no engajamento da equipe e da motivação. Afinal, hoje, os colaboradores querem ter voz para contribuir. Escutá-los incentiva a geração de novas ideias, de empenho e na confiança. Isso estimula a segurança de ter com quem contar, ajuda na persistência quando um cliente declina e promove mais jogo de cintura para contornar as objeções.

Engajamento da equipe de vendas: brainstorming

Já que estamos falando de participação e escuta receptiva, que tal promover o engajamento da equipe de vendas através de um brainstorming? Estranho? Vamos explicar! Geralmente, líderes e gestoresficam incumbidos de quebrar a cabeça para encontrar caminhos para vender mais. No entanto, essa responsabilidade pode ser compartilhada com os colaboradores através de um brainstorming. Juntos é possível descobrir uma trilha mais efetiva para que as metas sejam alcançadas. Essa troca de ideias malucas e a união de experiências e de conhecimentos podem ser ótimas para encontrar uma solução.

Como consequência, os colaboradores sentem a importância deles no trabalho. Percebem que são capazes de contribuir, compartilhar e aprender. Fazer parte de algo que geralmente fica a cargo da gestão traz uma experiência a mais, elevando a autoestima. Isso também pode aproximar líderes e subordinados proporcionando um engajamento da equipe de vendas de forma natural.

7 coisas que não devem ser feitas no trabalho

coisas que não devem ser feitas no trabalho

Entre as coisas que não devem ser feitas no trabalho figuram comportamentos e atitudes que são capazes de atrapalhar (e muito!) a sua ascensão profissional. Muito além de conhecimento e currículo, as empresas estão observando e avaliando também características, postura, ações e reações de seus colaboradores. Por isso, é importante estar atento aos seus atos e evitar deslizes, se quiser alcançar o sucesso e zelar pela harmonia na empresa. Mesmo em tempos de mudanças e novos modelos laborais, ainda há um senso comum sobre coisas que não devem ser feitas no trabalho, listadas a seguir. Confira!

1. Coisas que não devem ser feitas no trabalho: reclamar demais

Pessoas que reclamam demais demonstram improdutividade, falta de dedicação e pouca adaptabilidade. Por isso, é uma das coisas que não devem ser feitas no trabalho. Além de ser bastante desagradável conviver com uma pessoa que sempre está resmungando, essa atitude contamina todo o escritório e contribui negativamente na atmosfera corporativa.

O reclamão pode até ter razão ao dizer que o chefe é um líder mal preparado, que o computador está velho demais ou que os colegas sejam difíceis de lidar. Mas reclamar, pontuando e ressaltando cada ponto negativo também não melhora a situação. Portanto, ao invés de reclamar, que tal buscar uma solução, ter a iniciativa da mudança e promover a transformação positiva?

2. Coisas que não devem ser feitas no trabalho: fofocar

Embora seja uma das coisas que não devem ser feitas no trabalho, as fofocas marcam presença em muitos ambientes corporativos. Falar da vida alheia ou sobre informações sem procedência costuma ser o “esporte” favorito de quem aparentemente não tem muito serviço para fazer. E é exatamente essa imagem que o fofoqueiro transmite. A sua reputação fica abalada por ser visto como falso, desleal e pouco confiável.

E nem é preciso ser o rei da fofoca para ganhar esse estigma. Basta tomar conhecimento sobre um boato e passá-lo adiante para correr o risco de sujar o currículo. Isso sem falar no quão prejudicial pode ser para a vítima e para o clima do departamento e até da empresa toda. Por isso, o ideal é evitar esse tipo de conversa, não repassar o boato e preferir abordagens mais agradáveis com os colegas de trabalho.

3. Coisas que não devem ser feitas no trabalho: abusar da internet

Dar uma espiadinha no Facebook, responder uma mensagem no WhatsApp ou navegar livremente pela internet são ações aparentemente inofensivas durante o expediente. E a empresa pode até permitir isso.  O problema é quando o uso se torna um abuso – ultrapassar os limites do bom senso é justamente o que você não deve fazer no trabalho.

É muito fácil exceder essa liberdade e esquecer do trabalho. Não é preciso nem dizer que a produtividade cai, a efetividade diminui e as inovações desaparecem. Isso vale também para quem está com as tarefas em dia, mas dedica o tempo livre somente com a internet. É preciso ser razoável e encontrar um equilíbrio para aproveitar a web sem se descuidar do trabalho.

4. Coisas que não devem ser feitas no trabalho: perder o controle

Sabemos que a pressão e o estresse do dia a dia são reais e frequentes. No entanto, não devem ser desculpas para perder o controle, dar chilique, gritar, bater na mesa ou maltratar as pessoas. Sabemos que chefes que lideram no grito são extremamente prejudiciais para a empresa. Da mesma forma, é bastante negativo para uma equipe lidar com um integrante que explode e distribui patadas.

Ou seja, independentemente do seu cargo, perder o controle faz parte da lista de coisas que não devem ser feitas no trabalho. Por mais difícil que seja, conter a sua raiva e manter o equilíbrio é fundamental. Então, respire fundo e procure recuperar a sobriedade e a tranquilidade. Só assim, será possível canalizar a sua energia naquilo que realmente interessa: a solução.

5. Coisas que não devem ser feitas no trabalho: trabalhar muito doente

Pode até ser de grande valor aquele profissional que, mesmo doente, marca presença na empresa. Mas, como tudo na vida, é preciso bom senso. Caso contrário, você transformará um ato louvável em uma coisa que não deve ser feita no trabalho. Trabalhar com um leve resfriado ainda é aceitável. Mas, se há febre ou algo mais grave, o ideal é procurar um médico ao invés de aparecer no escritório.

Além do serviço não render, a recuperação se torna mais lenta e os colegas são expostos ao risco de contágio. Aí, o colaborador dedicado se torna um verdadeiro propagador de vírus. E se mesmo diante de todos os argumentos, aquela planilha falar mais alto, trabalhe de casa. Cuidar da sua saúde também é zelar pela sua carreira.

6. Coisas que não devem ser feitas no trabalho: falar sobre assuntos polêmicos

Um item importantíssimo entre as coisas que não devem ser feitas no trabalho é falar sobre assuntos ou temas polêmicos que não tenham relação com o trabalho propriamente dito. Esse tipo de conversa geralmente não termina muito bem. Basta uma opinião contrária para a situação esquentar e gerar discussões intermináveis. Ao final, a desarmonia se torna geral com o clima pesado que fica depois. Isso sem falar nas intrigas e desavenças entre colegas, que tornam difícil a convivência.

Como há estresse suficiente no dia a dia, prefira falar sobre questões mais leves, histórias inspiradoras ou experiências enriquecedoras. Assim, você evita brigas e ameniza um pouco da pressão cotidiana durante a pausa para um cafezinho.

7. Coisas que não devem ser feitas no trabalho: incomodar os outros com seu barulho

Barulho é uma das coisas que não devem ser feitas no trabalho simplesmente porque incomoda. Ninguém é obrigado a gostar do mesmo estilo musical que você, por exemplo. Então, se quiser ouvir a sua música, coloque fones de ouvido. Lembre-se que o som pode ajudar na sua concentração, mas atrapalhar a do colega.

O mesmo vale para o celular. O barulho de notificações e ligações tem potencial para ser extremamente irritante. E em tempos de grupos, esses alarmes podem soar constantemente com as dezenas de mensagens chegando o tempo todo. Deixe-o no silencioso e contribua com a harmonia do escritório.

Transforme o tempo ocioso no trabalho em produtividade

produtividade

7 dicas para ganhar produtividade com aqueles momentos em que não você tem nada para fazer ou enquanto espera

Você pode ter terminado as suas tarefas rapidamente, está esperando a resposta do diretor para dar continuidade no projeto ou o dia está parado mesmo: o fato é que não há nada para fazer e ainda faltam algumas horas para o fim do expediente. O jeito é checar as redes sociais ou responder as mensagens pessoais no WhatsApp, certo? Talvez não, afinal, é horário de trabalho! Então, como transformar o ócio em produtividade e driblar o tédio?

Para responder a essa pergunta e te livrar da tentação da internet, elencamos algumas atividades para ajudar. Lembre-se que esses minutinhos livres serão muito úteis se usá-los corretamente. Então confira nossas dicas e aproveite todos os benefícios!

Mais produtividade? Arrume a sua mesa!

Que tal arrumar a sua mesa de trabalho? Esses momentos são oportunidades para espantar a preguiça e cumprir tarefas que foram adiadas. Comece organizando os itens que ficam sobre a bancada e jogando fora o que não tem mais utilidade. Estenda a arrumação para gavetas, arquivos e o que está à sua volta. Isso irá ajudá-lo a aumentar a sua produtividade. Um ambiente limpo e bem ajeitado torna a atmosfera mais agradável, diminuindo a distração e agilizando a solução das pendências. Como resultado, o dia passa a render mais.

Organize seus arquivos no computador

Que atire a primeira pedra aquele que nunca salvou um arquivo em qualquer pasta no meio da correria. Ou quem não tem duplicidade de documentos ou diversas versões desnecessárias daquele projeto de 2015. Afinal, a bagunça não é apenas física, mas também, virtual, mesmo que seja menos visível que na nossa mesa de trabalho. Logo, transforme o tempo ocioso em produtivo, ajeitando tudo e promovendo uma bela limpeza no disco rígido. Além de liberar espaço no computador e deixar tudo no seu devido lugar, rever planilhas e projetos antigos ajuda em seu crescimento. A análise do passado pode promover insights inusitados, permitir a revisão de velhos conceitos e auxiliar no autoconhecimento e no seu plano de carreira.

Faça um backup

O seu tempo “livre” pode ser muito útil com um backup de seus arquivos. Embora seja uma tarefa comumente procrastinada, é preciso lembrar da importância de ter uma cópia resguardada de seus materiais. Afinal, estamos suscetíveis a enfrentar falhas e problemas em nosso computador, assim como imprevistos que abalam a produtividade. Então, salve seus materiais na nuvem, no servidor ou em um HD externo. Para te incentivar ainda mais, tenha em mente que isso vai diminuir expressivamente a dor de cabeça quando o famoso Murphy resolver atuar. 😉

Limpe sua caixa de e-mails

Sabe o desgosto que dá só de olhar os inúmeros e-mails em sua caixa de entrada e no spam? Aproveitar momentos de ociosidade para fazer uma faxina neles é sinal de produtividade! Portanto, mexa-se: responda, delete, encaminhe, agradeça, confirme recebimento, tome as providências, organize as mensagens, faça o download. Organize os arquivos e os contatos, incluindo marcadores para classificá-los. A organização e a extinção dessa pendência serão de grande valia quando a pressa apertar. Outra boa razão para fazê-lo é que a conclusão dessa tarefa trará a sensação de dever cumprido, elevando a motivação.

Faça planejamentos

Como vivemos em uma grande correria, essas “folgas” no meio do dia não devem ser desperdiçadas. Por isso, use esse período para planejar. Uma boa gestão do seu tempo é benéfica em diversos sentidos. Vale programar também a sua carreira, assim como as suas ações para alcançar o seu objetivo e desenvolver a si mesmo. Não deixe essa chance de se beneficiar passar em branco. Por isso, mão na massa!

Procure oportunidades

Há sempre uma oportunidade nova por aí esperando por você. Portanto, nada de ficar de braços cruzados no meio do expediente. O momento ideal para buscar um projeto legal para fazer parte ou aprender coisas novas é agora. É também uma ocasião propícia para tomar a iniciativa de desenvolver e apresentar algo em que gostaria de trabalhar. Tirar do papel aquela ideia pode trazer a inovação que a companhia tanto almeja. Ou seja, existe um mar de coisas que aumentam a produtividade ao fazer valer esses minutos que sobraram no seu dia.

Produtividade é oferecer ajuda e colaborar com a equipe

Nem sempre o fato de você ter concluído a sua parte significa a conclusão do projeto. Então, por que não ajudar o seu colega? Oferecer ajuda é uma ótima maneira de transformar o ócio em algo produtivo. Isso fortalece o relacionamento, desenvolve o espírito de equipe, proporciona aprendizado e auxilia no desenvolvimento do sucesso. Essa pode ser uma chance de ensinar algo para as pessoas, atitude que também contribui para o seu crescimento.

Chefe abusivo prejudica a empresa toda

chefe abusivo

Não é só a equipe que sofre com chefe abusivo, toda a companhia também encara consequências negativas

Tema recorrente em happy hours, motivo de estresse diário e de reclamações pelos corredores, lá está ele: o chefe abusivo. Aquela pessoa que só de ouvir o nome dá logo um embrulho no estômago. Quem é ou já foi liderado por um profissional assim sabe bem a infelicidade dessa experiência. Mas, o que poucos percebem é que não são só as pessoas mais próximas que sofrem com essa hostilidade. Os efeitos de um chefe abusivo vão muito além, e têm a grande capacidade de prejudicar uma empresa inteira.

Por que um chefe abusivo é prejudicial?

Ele grita, humilha, usa e abusa de sua autoridade e desconsidera o que a equipe tem a dizer. Ações que por si só figuram entre as práticas que podem arruinar uma empresaparte 1 e parte 2. Isso já responderia muito bem à pergunta. Mas não é só isso. O comportamento de um chefe abusivo contamina todo o ambiente e eleva o nível de estresse da equipe. O clima entre colegas fica pesado, a desmotivação prevalece e o medo reprime novas ideias. Afinal, ninguém quer ser a próxima vítima.

Um chefe abusivo torna o dia a dia penoso e prejudica a todos, inclusive, ele mesmo. Parecem não enxergar que os gritos que outrora impuseram respeito, hoje não são mais aceitos, tampouco trazem algum benefício.

Como o chefe abusivo afeta a empresa toda

Um estudo publicado no Journal Business Ethic pode explicar os efeitos nocivos do chefe abusivo na empresa inteira. De acordo com a pesquisa, os profissionais não enxergam apenas o líder como culpado, mas também a companhia. Esse fato elucida as consequências geradas no trabalho como a queda na produtividade.

O que acontece é que as pessoas subordinadas ao chefe abusivo se tornam mais propensas a desvios de comportamento. Na prática, elas passam a se dedicar menos, não se importar tanto com a tarefa, se atrasar, entre outros. Os pesquisadores afirmam que essas ações são como uma retaliação aos “ataques” sofridos.

Chefe abusivo = mau exemplo

Líderes devem ser o exemplo para a sua equipe, alguém para se espelhar. O problema é que no caso do chefe abusivo a referência definitivamente não é boa para ser seguida. Os pesquisadores apontaram que existe uma grande tendência de os colaboradores replicarem esse mau comportamento no trabalho. Em meio a tantas atitudes negativas, é óbvio dizer que o problema só aumenta e as consequências pioram ainda mais.

Os efeitos negativos em cadeia de um chefe abusivo

Em um plano geral, a hostilidade do chefe abusivo prejudica a empresa toda por conta de um efeito em cadeia. Uma ação negativa gera uma reação também negativa e assim, sucessivamente. Para entender melhor, vamos ilustrar tudo isso com o seguinte episódio:

 “Mariana concluiu o seu primeiro relatório com maestria. Foram semanas debruçada em planilhas para concluir o seu trabalho. Aliás, muito bom, por sinal, principalmente para uma pessoa que nunca havia feito isso. No entanto, o gestor Carlos não se importou com nada disso. A ausência de um mero detalhe (que, convenhamos, não servia para nada) foi o suficiente para ele esbravejar críticas ferrenhas contra ela. Na frente de todos, bateu na mesa e gritou até para quem não queria ouvir que odiou tudo, finalizando com ameaças à moça e a toda a equipe.”

 O ambiente e os colaboradores

Diante dessa situação, inevitavelmente, toda a atmosfera se torna bastante desagradável. A começar por Mariana, que viu todo o seu esforço se transformar em uma grande humilhação. Nem é preciso dizer o quão difícil é estar na pele dela. O discurso hostil apenas violenta o outro, sem qualquer consideração, quando, na verdade, deveria ser construtivo.

Mas, o constrangimento não para por aí, atingindo indiretamente os colegas também. A empatia chega a doer e o medo de ser o próximo é iminente. Outros sentimentos como raiva, indiferença, injustiça, entre outros, também nascem ali. Tudo isso abala o ambiente, as atitudes das pessoas, afeta relacionamentos, autoestima e confiança.

A empresa

Além desse clima desfavorável e colaboradores insatisfeitos, as empresas sentem também a queda no rendimento ou se deparam com resultados aquém do esperado. Como se isso não bastasse, todo o trabalho de talent acquisition pode ruir. Afinal, o fit cultural estremece diante da imagem ruim do chefe abusivo. A insustentabilidade de toda essa atmosfera pode fazer a empresa perder um grande talento e originar doenças em colaboradores.

Como evitar os efeitos do chefe abusivo

A melhor maneira de evitar todos os efeitos nocivos do chefe abusivo é, sem dúvida, preparar melhor as lideranças. Por isso, é importantíssimo avaliar se esse é o momento para aquele profissional liderar. Além disso, é crucial prover treinamentos, fomentar a cultura de reciclagem de conhecimento e incentivar o desenvolvimento contínuo. Esse trabalho vale tanto para quem inicia ou tem pouca experiência na liderança, como também, para os mais experientes no cargo.

Siga-nos nas redes