10 práticas que podem arruinar uma empresa – Parte2

 

engrenagem2

Um ambiente de trabalho ruim, profissionais desmotivados ou estressados e desvalorização provocam queda na produtividade e insatisfação de clientes 

 

Já sabemos que líderes incapazes de liderar, metas inatingíveis, falta de investimento no capital humano, ausência de reconhecimento e valorização, assim como não saber recompensar são 5 das 10 práticas que podem arruinar uma empresa. Agora, vamos reconhecer (e começar a eliminar) o que mais anda impedindo o crescimento da sua empresa.

 6. Intolerância ao erro

Errar é humano e é fundamental – principalmente quando se busca inovação e criatividade. Mas parece que o mundo corporativo se esquece disso às vezes, julgando tentativas de acerto como falhas imperdoáveis. Grandes inventores erraram inúmeras vezes até realizarem suas proezas. Ideias fantásticas surgiram de “besteiras” ditas durante um brainstorming. Então, por que não permitir o erro?

7. Ignorar ideias

É muito comum encontrar monólogos entre gestor e colaborador: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Quem acredita nisso, mal sabe que esse é um grande desperdício de talento, além de gerar falta de comprometimento, desestimular novas criações e comprometer a confiança. É preciso entender a legitimidade dos profissionais em serem consultados, de tomarem conhecimento, de participarem. Por isso, é extremamente importante escutá-los receptivamente.

8. Ambiente de trabalho desagradável

Preconceito, fofocas, procurar culpados ao invés de soluções, falta de confiança, lideranças fracas ou chefes abusivos, descaso com colaboradores, ambiente descortês e pouco colaborativo são apenas alguns exemplos do que pode tornar o clima na empresa intragável, infeliz e, consequentemente, com baixo rendimento. Não é à toa que há tantos profissionais que contam as horas para irem embora.

9. Qualidade de vida zero

A exigência que suga excessivamente a energia da pessoa, incontáveis horas extras, falta de flexibilidade de horários e de local de trabalho, pouca empatia e compreensão, ausência de pausas e má alimentação em decorrência da correria. Tudo isso prejudica a qualidade de vida, afetando a saúde e, por sua vez, o trabalho. Insônia e cansaço, por exemplo, atrapalham o rendimento, enfraquecem o corpo e podem gerar doenças. O mesmo vale para os programas falhos de promoção à saúde, como os de empresas que oferecem academia, mas não adotam uma carga horária que permita a assiduidade dos colaboradores.

10. Discurso X realidade

Na visão, missão e valores da corporação, o discurso é lindo. Contudo, na prática, a coisa parece ser bem diferente. Há diversos casos em que palavras são inflamadas ao elogiar uma bem-sucedida gestão participativa, quando no fundo, a equipe nunca recebeu atenção. São impostas regras rígidas, como proibir conversas e interação com outras áreas, que não condizem com a filosofia de união e relacionamento vendidas. Incoerências só frustram, revoltam e trazem o conformismo e a estagnação.

 

10 práticas que podem arruinar uma empresa – Parte1

10 práticas que podem arruinar uma empresa

 

Um ambiente de trabalho ruim, profissionais desmotivados ou estressados e desvalorização provocam queda na produtividade e insatisfação de clientes

Se manter nos trilhos e rumo ao desenvolvimento são desafios que exigem atenção e adaptação constante. Entre as mudanças possíveis, vale abandonar 10 práticas que podem arruinar uma empresa por gerar estresse, clima de trabalho ruim, insatisfação e queda na produtividade, além de outros obstáculos. Só assim, poderemos colocar em prática todos os desejos e realizações profissionais que prometemos para o Ano Novo.

Dividimos essas 10 práticas que podem arruinar uma empresa em duas partes – assim dá para refletir melhor sobre cada uma. Na próxima segunda-feira, 30 de janeiro, você confere a segunda parte desse conjunto de preciosas dicas.

 

  1. Líderes incapazes de liderar

Muitos assumem o cargo de liderança por seus conhecimentos técnicos e bom desempenho. No entanto, nem sempre estão preparados. Não sabem como construir um relacionamento com seus colaboradores, tampouco encontram equilíbrio entre diretividade e participação em sua gestão. O resultado? “Liderança” na base do grito, assédio, exigências abusivas, desentendimentos, estresse e o desenvolvimento de doenças sérias como a depressão – tanto por parte dos colaboradores, como também, do próprio gestor.

  1. Metas inatingíveis

As metas podem ser instigantes – quando são concretas e motivadoras. Objetivos que nunca são alcançados, não importa o que se faça, só geram decepção e baixa produtividade. E, para piorar, o cliente sente isso e se afasta também. Em tempos em que a demanda pela alta performance ganha cada vez mais força, a falta de bom senso para estabelecer metas e ainda culpar a equipe por não os alcançar são erros graves. É importantíssimo escutar o seu time e valorizar o esforço e a dedicação deles.

  1. Falta de investimento no capital humano

As companhias estão sedentas por inovação, mas o que elas realmente estão fazendo para isso? Lembre-se que novas ideias e criatividade também vêm dos seus colaboradores. Ou seja, se não há investimento no capital humano, como treinamentos, atualizações e incentivo ao estudo, a capacidade de inovação reduz muito. Ampliar o conhecimento e a rede de contatos deles não implica em correr o risco de perdê-los. Olhando por um outro ângulo, são estratégias para adquirir mais informações, ampliar o networking e possibilitar crescimento para o setor.

  1. Ausência de reconhecimento e valorização

A falta de reconhecimento e valorização do seu colaborador pode matar qualquer projeto e até mesmo a própria empresa. Afinal, se o desempenho e a dedicação caem, as falhas aumentam e consequentemente, o setor perde a estabilidade. E antes que apareçam as desculpas por conta de problemas financeiros – elogios são de graça – e, ainda assim, fazê-lo soa custoso demais para alguns.

 

  1. Não saber recompensar

Com a crise, muitas empresas passaram a oferecer salários menores. No entanto, exigem um nível de qualificação incompatível, implicando na alta rotatividade do cargo e na desmotivação logo na contratação. Corte de bônus e benefícios também têm implicações negativas, assim como premiações concedidas de maneira desigual, desfavorecendo a união da equipe e desmotivando os integrantes. Por fim, recompensar individualmente força uma competição interna que nem sempre é benéfica.

Saia da zona de conforto

Imagem2

5 dicas para sair do comodismo e conquistar realizações pessoais e profissionais

É da natureza do ser humano buscar estabilidade, seja na carreira, seja na vida pessoal, pois é uma forma de nos sentirmos confortáveis e seguros. No entanto, adentrar em uma rotina cômoda e sem riscos pode inibir a conquista de metas e a visão de novas perspectivas, resultando no  mergulho em um mar de tédio e angústia. Se este for o seu caso, talvez esteja na hora de sair da zona de conforto e expandir seus horizontes.

Reflita sobre sua situação atual

O primeiro passo é reconhecer o estado em que você se encontra e, em seguida, analisar todo o contexto da sua vida, como as suas conquistas, expectativas, grau de satisfação e a utilização de seu tempo. Assim, ficará mais claro quais são os pontos que necessitam de mudança para sair dessa chatice.

Crie um objetivo

Quando seu objetivo tem as qualidades CARAT, ele se torna instigante e motivador, capaz de inspirar e dar um propósito ao seu cotidiano. Então, que tal definir uma meta, montar um plano de ação e transformar seus sonhos em realidade?

Descubra novas paixões

Explore e vivencie as infinitas possibilidades existentes por aí. Encontre algo que possa enchê-lo de alegria e ânimo novamente. Muitas pessoas só descobrem que gostam de corrida, por exemplo, quando começam a correr, ou então, conhecem aptidões para atividades manuais ao aprender como se faz. Invista na sua curiosidade e tente um trabalho voluntário, uma viagem, um esporte, um hobby…

Volte a fazer o que gosta

Às vezes, caímos no marasmo porque falta o prazer de fazer algo que realmente gostamos. Encher o seu tempo com uma atividade que te faça sorrir poderá equilibrar a equação entre os aspectos bons e ruins do seu dia e te ajudar a recarregar as energias para enfrentar melhor as adversidades.

 Aprenda e desafie-se

Uma das melhores formas de fugir do comodismo é evitar as repetições. Por isso, a ideia é desafiar-se todos os dias, ir atrás de um aprendizado, quebrar a rotina. Pode ser com pequenas atitudes que ajudam a mente a fazer novas sinapses, como pegar caminhos diferentes para ir ao trabalho, mudar os horários, experimentar uma comida que nunca provou, assim como iniciar uma pós-graduação, adquirir outras funções, arriscar-se em uma outra área, sugerir alterações no setor. Desenvolver novas capacidades ou aperfeiçoar as já existentes são ótimos caminhos para sair da zona de conforto e alavancar sua vida.

 

Como tornar-se um profissional mais produtivo

Post 2 Blog SEM MASCARA

 

Aprenda a gerenciar melhor o seu tempo e ganhe diferencial no mercado

 Vivemos um cotidiano cada vez mais atribulado, fruto da crescente concorrência no mercado. Entre as demandas rotineiras, somam-se e-mails, reuniões, telefonemas e a busca incessante por metas e resultados. O dia parece não ter fim, enquanto corremos contra o relógio. Assuntos urgentes vão aparecendo e somos obrigados a deixar algumas coisas de lado, afinal, um dia tem apenas 24 horas, não é mesmo?

A verdade é que, “para dar conta do recado”, em algum momento, procrastinamos alguma atividade. De acordo com estudos, por mais que deixar para depois cause pânico e ansiedade, ganhamos uma dose de dopamina que é como se fosse uma injeção de prazer em curto prazo.  Embora seja possível concluir a tarefa com o deadline apertado, temos que enfrentar  certo desconforto, o que não aconteceria se tivéssemos um período maior para  desempenhar tal função.

Quando gerenciamos nosso próprio tempo, ganhamos mais liberdade para trabalhar. Ao ordenar melhor nossos compromissos, nos permitimos dedicar esforços em projetos que exijam mais foco, zelando pela produtividade da equipe e aperfeiçoando o nosso próprio trabalho.

O primeiro passo para otimizarmos nossas horas e nos tornarmos mais eficazes é ter plena consciência de qual é o Estado Desejado (aonde queremos chegar) para deixarmos o Estado Atual e alcançar nossas metas.

Veja nossas dicas

1º Definir o objetivo a ser atingido

Pense aonde quer chegar, mas seja realista. Tenha em mente uma meta que seja ambiciosa e concreta. Por último, mas, não menos importante, estabeleça o tempo para ser alcançada.

2º Estabelecer prioridades

Para isso, monte critérios que definam graus de prioridade. As razões de importância podem ser diversas (afetivas, dever, moral, etc.) mas, o indispensável é saber o quão urgentes são cada uma delas.

3º Planejar o longo, médio e curto prazos

Planejamento é o segredo do sucesso de muitos profissionais. Para isso, faça planos em curto prazo, que podem ser atividades diárias ou semanais; em médio prazo como o desenvolvimento de projetos e a busca de resultados futuros; e em longo prazo, atividades que precisem ou disponham de mais tempo para planejamento como férias, eventos…

4º Planejar o previsível e o imprevisível

Nem sempre a vida flui da maneira que esperamos, por isso, reflita sobre o que pode dar errado e porquê e previna-se. Tenha um plano B, caso imprevistos aconteçam.

5º Evitar a procrastinação

Procrastinar pode até trazer um certo prazer imediato, mas diminui a produtividade e a qualidade do serviço. Programe-se melhor e impeça as desculpas mentais que criamos para nós mesmos.

6º Manter-se organizado

Pessoas organizadas conseguem manter o foco e ter ideias mais claras sobre as atividades que devem ser realizadas. Assim, evitam o stress e a ansiedade na execução das tarefas.

 

 

Objetivos ou Intenções?

Alvo

Objetivos são intenções bem formuladas. Saiba como viabilizar o alcance das suas metas

Tem um dito popular que diz que “de boas intenções…”, bem, você sabe, há um lugar que está cheio. Então, para separar o joio do trigo, propomos olhar os objetivos com mais atenção e dedicação.

Durante os nossos treinamentos, ao perguntarmos para os participantes qual é o seu objetivo número um para o ano, não é raro obtermos como resposta: “terminar o curso de inglês”, “começar a pós-graduação”, “comprar o imóvel próprio”… E por aí vai.

Nada de errado com estes objetivos, se de fato fossem objetivos. Quando não atribuímos qualidades aos nossos objetivos, eles acabam por se tornar meras intenções. Portanto, corre-se o sério risco de, durante o réveillon (quando estiver pulando aquelas sete ondinhas) você se lembrar de que continua querendo alcançar a mesma promessa do ano anterior.

Nossa sugestão é formular os objetivos considerando três qualidades:

1) Concreto: Um bom objetivo precisa ser concreto, que significa que pode ser mensurado e controlado durante o período estipulado para a sua realização.

2) Motivador: Objetivo bom é aquele que tem ambição e senso de realidade na medida!

3) Assumido: Objetivo assumido é diferente de objetivo imposto. Para assumir um objetivo como seu dentro da organização, é necessário entender o propósito e lutar pelos ajustes, caso necessário. Não há nada mais mortal para o alcance de um objetivo corporativo do que ele não ser assumido pelos gestores ou equipes.

A qualidade da gestão do tempo fecha o ciclo perfeito da elaboração de bons objetivos. A cada minuto entram mais e mais tarefas em sua agenda e o tempo contado no relógio continua o mesmo.

Gerir o tempo com eficiência permitirá que você ordene melhor seus compromissos. Ter plena consciência de qual é o seu Estado Desejado (onde quer chegar) é o primeiro passo para que saia de seu Estado Atual e alcance suas metas.

Siga-nos nas redes