Como dar um feedback sobre a aparência do colaborador

Como dar um feedback sobre a aparência do colaborador, visando o sucesso dele e sem ser invasivo? Separamos 5 dicas para te ajudar

5 dicas para te ajudar na hora do feedback sobre a aparência do colaborador

“Quem vê cara, não vê coração”, já dizia o velho ditado. Mas, na prática, a apresentação conta (muito!) e, felizmente ou infelizmente, pode impactar na carreira. Uma roupa sensual, amassada ou casual demais, barba malfeita, maquiagem pesada ou falta de higiene podem causar constrangimentos, dificuldades para ganhar o respeito dos colegas ou conquistar clientes. A questão é: quando isso acontece no seu time, o que fazer? Como dar um feedback sobre a aparência do colaborador, visando o sucesso dele e sem ser invasivo? Separamos 5 dicas para te ajudar a tratar este tema tão delicado, porém necessário para obter melhores desempenhos.

  1. Reflita sobre a questão

Em primeiro lugar, é extremamente importante se questionar e refletir. Será que a vestimenta está realmente inadequada ou é um incômodo devido ao seu gosto pessoal? Às vezes, temos em mente que é necessário usar terno e gravata para trabalhar, no entanto, cada segmento pede o seu traje, mais formal ou informal. Outro ponto que vale a reflexão é se isso está prejudicando ou atrapalhando o desempenho do profissional. Pense se houve algum fato, comentário ou dado que possa embasar a sua teoria e visão sobre o assunto.

 

  1. Veja as regras

O próximo passo é ler as regras da empresa e conferir se o look viola alguma norma do código de conduta. É possível que a pessoa simplesmente não tenha ciência sobre tais preceitos ou que eles não sejam tão explícitos como deveriam. Se for esse o caso, assuma a falha e informe-o. “Não é permitido o uso de jeans na empresa e eu não o comuniquei. O erro é meu”. Considere se existe a real necessidade em implementar regras para vestuário e se isso traria possíveis benefícios.

 

  1. Prepare-se

Se o diálogo for, de fato, pertinente, é hora de se preparar. Construa argumentações com bases sólidas e motivos profissionais. Você pode recorrer às pesquisas que mostrem a influência da aparência nas conquistas profissionais, por exemplo. Mas, tome cuidado com discursos de “certo e errado”: prefira transmitir empatia e desejo de vê-lo bem-sucedido pelo viés de como isso pode ajudá-lo a ascender nos negócios. “Uma camisa pode te dar mais credibilidade, facilitando o seu trabalho”. Uma boa dica é certificar-se com o departamento de RH se a sua preocupação tem fundamento e se pode ser interpretada como discriminação.

 

  1. Saiba aconselhar e escutar receptivamente

A forma de se comunicar durante a reunião pode ditar os resultados do feedback. Portanto, tome cuidado para que o seu zelo com o outro não pareça ofensivo. Conferir um tom de conselho à conversa com uma dose de empatia deixa o caminho mais seguro, especialmente quando a má aparência é decorrente de alguma dificuldade enfrentada pelo seu colaborador. Saiba falar, mas também, esteja aberto a ouvi-lo e a compreender a situação. Às vezes, nem mesmo o próprio colaborador percebe que seus obstáculos pessoais estão causando desleixo.

 

  1. Vestir-se com conforto e autenticidade

O feedback visa conscientizar o outro sobre a importância de sua aparência e como isso pode ajudá-lo profissionalmente. Isso não significa deixar a personalidade de lado para usar determinados tipos de roupas ou usar vestes incômodas. Permita a autenticidade na produção, com charme e elegância, e é claro, com conforto – afinal, roupas desconfortáveis prejudicarão o bem-estar e a produtividade.

 

Para finalizar, deixe todas as regras bem claras a todos os colaboradores a fim de evitar que isso aconteça em sua equipe ou que surjam novas ocorrências e sessões para discutir sobre a vestimenta. Se necessário, considere divulgar informações sobre trajes e cuidados em uma reunião ou no jornal da empresa, por exemplo. Já para os recém-chegados tomarem ciência, uma boa saída é incorporar esse conteúdo às orientações sobre a corporação.

Inteligência Emocional – desenvolva a sua!

Post do blog

Quem é inteligente emocionalmente alcança o autoconhecimento em seu modelo de resposta aos estímulos da vida

O tema é campeão de vendas nas livrarias e nas buscas por palestras e treinamentos. Em organizações, também é visto como diferencial dos profissionais. Mas, afinal, o que é ser Inteligente Emocionalmente?

Partimos do princípio Dinérgico de que emoção é um ESTADO e não uma CONDIÇÃO. Aquela mania de dizer “Eu SOU muito emotivo” é, muitas vezes, um equívoco perigoso. Ele faz com que acreditemos realmente SER, quando na verdade o que acontece é que ESTAMOS emotivos por um ou mais motivos.

Estar “emocionado” é uma condição de quem está vivo. Basta respirar para estar suscetível às emoções. Afinal, somos estimulados a todo o momento, seja por fatores internos (memórias e percepções) ou externos (relações interpessoais, TV, rádio, etc).

Processamos e transformamos em percepções da realidade cinco emoções básicas:

  • Medo
  • Alegria
  • Raiva
  • Tristeza
  • Aversão

Pelos filtros criados à partir das nossas percepções, estabelecemos o nosso modelo de mundo e padronizamos as nossas respostas ao ambiente.

E ainda que medo, tristeza e aversão provoquem certo desconforto, todas as emoções são necessárias, pois sua função é adaptativa, servindo como bússola direcionadora das nossas ações. Imagine, por exemplo, como seria uma vida totalmente desprovida de medo ou aversão?

Quem é inteligente emocionalmente alcança o autoconhecimento em seu modelo de resposta aos estímulos da vida. Pensa de forma consciente antes de agir, deixando de lado a reação e a postura de “refém das relações” e tornando-se agente das próprias emoções e relações.

Para dar o primeiro passo em direção à sua Inteligência Emocional, leve em consideração os seguintes aspectos:

1)      Mantenha a autopercepção e a autenticidade independente da opinião das outras pessoas.

2)      Cuide das relações interpessoais e pratique a empatia.

3)      Adapte-se aos ambientes e situações, mesmo que estejam fora da sua zona de conforto.

4)      Enfrente as situações que geram stress no intuito de resolvê-las. Atenção: enfrentar é diferente de confrontar!

5)      Mantenha a visão otimista no futuro e não se deixe abater pelas situações de crise. Quanto antes puder se reestabelecer, melhor!

Liderança sem alegoria

 Liderança Personalizada

A liderança depende também do interlocutor. Veja que estilo adotar conforme o perfil dos membros da sua equipe.

Consta no dicionário: substantivo feminino relativo a líder. Comando, direção, hegemonia. Nos dias atuais, o tema Liderança tem sido levado à exaustão na literatura, palestras, blogs, treinamentos e afins. São inesgotáveis as fontes de informação e opinião sobre o assunto. Em muitos deles, observa-se certo romantismo e contação de histórias para falar a mesma coisa: Liderança é a “cereja no bolo” da boa gestão de pessoas.

Abordamos o tema da perspectiva de quem treina profissionais em liderança e acreditamos que ela surja como consequência do sucessivo treino e aplicação de atitudes e comportamentos que têm como base a SITUAÇÃO e não a pessoa.

Um modelo de liderança eficaz tem como ponto de partida dois caminhos de observação: a tarefa ou a relação. A tarefa está relacionada ao objetivo, enquanto a relação diz respeito a forma de execução para atingi-lo. Cada indivíduo tem a tendência natural de seguir por um dos lados. No entanto, o ideal é que ambos caminhem de mãos dadas.

Pensando nesta relação de simbiose, podemos elencar alguns estilos de liderança que se encaixam melhor conforme o perfil dos integrantes de uma equipe.

Líderes assertivos e com foco em resultado são lembrados por seu estilo diretivo e de delegação. No primeiro, o líder diz “O quê”, “Como”, “Quando” e “Até quando” o colaborador deve executar determinada tarefa, enquanto o líder de estilo delegativo, ao diagnosticar o que o colaborador sabe fazer, diz apenas “O quê” deve ser feito, deixando a critério do colaborador os demais itens. Ao utilizar estes dois estilos, o líder ganha tempo.

Líderes participativos serão lembrados pelo cuidado com a relação. Dependendo da situação, ensinam como fazer (coaching) ou escutam propostas de quem já sabe como executar. Exercer esses dois estilos de liderança, a fim de que o trabalho seja desenvolvido com qualidade e dentro dos prazos previstos, exige tempo.

Acrescentamos aos estilos de liderança citados acima a importância da observação do comportamento de cada indivíduo diante da tarefa delegada. Quão MOTIVADO e quão COMPETENTE o profissional está para desempenhar as tarefas que são delegadas?

É importante lembrar que não cabe aqui rotular pessoas, porque um mesmo profissional pode ser pouco motivado e pouco competente para determinada tarefa e, no mesmo dia, apresentar alta motivação e alta competência para outra tarefa.

Uma fórmula simples e eficaz é adequar o estilo de liderança ao comportamento do colaborador.

Estilo Diretivo: ideal para os pouco motivados e pouco competentes. Uma vez que não sabem, não têm iniciativa para fazer.

Estilo Coaching: destinado aos motivados, mas pouco competentes. Deve-se ensiná-los como fazer.

Estilo Participativo: direcionado aos pouco motivados, que por alguma razão não têm proatividade, mas são competentes.

Estilo Delegação: aos muito competentes e muito motivados.

Para finalizar, propomos menos alegoria e mais atitude para ser líder. Melhor do que ter fãs e seguidores, é conquistar um legado de qualidade para o trabalho desenvolvido. Naturalmente, os esforços serão reconhecidos.

Bem-vindo, bem-vinda!

IE (2)

É com muita alegria que estamos lançando mais um canal de comunicação. O nosso blog nasce com o intuito de estreitarmos ainda mais a nossa relação com os parceiros, colaboradores e interessados em saber mais sobre o universo da Dynargie Brasil.

Semanalmente, traremos novidades, dicas e informações sobre desenvolvimento, liderança, gestão, boas práticas e muito mais. Além do seu acolhimento, esperamos que interaja conosco, comentando e compartilhando nossos conteúdos ou enviando-nos suas questões e sugestões. Afinal, acreditamos fortemente no bom relacionamento para melhores resultados.

Aliás, desenvolver o Human Side of Business é a nossa premissa. Afinal, os negócios são feitos por pessoas. É com orgulho que podemos dizer que trabalhamos com uma metodologia diferente para o treinamento de gestores e equipes. Você perceberá isso acompanhando as nossas publicações.

Várias questões pertinentes ao universo corporativo, como liderança, objetivos, planejamento, gestão, atendimento ainda são entraves nas relações de trabalho. Por meio das nossas publicações, abordaremos de forma objetiva, útil e interessante todos esses assuntos.

Quer saber mais? Fique à vontade e dê um mergulho!

Equipe Dynargie

Siga-nos nas redes