Qual o seu estilo de Comunicação com clientes?

 

People using digital devices smart technology in double color exposure effect

Hoje há vários tipos de comunicação, assertiva, personalizada, ascendente, descendente, lateral, entre outras. Mas, todas elas convertem às duas partes: ao emissor (ou locutor) e o receptor (ou interlocutor), que varia dependendo da situação. Pode ser entre líder e equipe, líder e um membro da equipe, líder e superior, superior e colaborador, a empresa e cliente e, assim, por diante. Na verdade, a forma como nos comunicamos é que faz toda diferença.

Uma das maiores tendências atualmente no mercado é a comunicação personalizada, um conceito referente ao modo como as empresas interagem com seus clientes.

Como é fácil conhecer seus públicos a partir do uso de dados, ampliou-se a possibilidade de aprimorar a abordagem, conseguindo uma interação bem mais próxima, mais pessoal, principalmente por meio das redes sociais.

Cada cliente apresenta um perfil e exige formas específicas de comunicação. Reconhecendo a característica de cada cliente é possível ter mais assertividade na comunicação. Podemos trabalhar    4 estilos de comunicação: Despertar, Aconselhar, Envolver e Trocar. A maneira como lidamos com cada um destes estilos é que torna a comunicação mais eficaz.

  • Despertar este perfil é quando o cliente tem pouco conhecimento sobre o assunto que será abordado ou, se mostra resistente para falar, cabe ao locutor conquistar a sua confiança quebrando essa barreira e despertando a sua necessidade. Quando isto acontece, pode ser ao início de uma relação futura.

 

  • Aconselharé o contrário do perfil “despertar”, o cliente tem competência sobre o assunto que será tratado, mas quer conhecer melhor a respeito ou encontrar uma solução para sua necessidade específica. Nesse caso, o locutor tem que se preparar bem e fornecer todas as informações e explicações que o cliente precisa, fazendo com que ele se sinta atendido e confiante na relação. Aqui o foco deve estar voltado para solução e na relação.

 

  •  Envolver é o mesmo do perfil “aconselhar”, o cliente conhece o assunto a ser tratado, sabe que temos capacidade de encontrar a solução que necessita, mas, a princípio, não está motivado a nos dar essa oportunidade. Nesse caso é importante envolvê-lo ao máximo para provocar nele o desejo de ação, agir. Aqui são importantes a relação e a competência do locutor para encontrar uma solução.

 

  • Trocaro cliente tem competência sobre o assunto a ser tratado e, está disposto, demonstra vontade em falar a respeito ou de procurar soluções. Nesse caso, o importante é deixá-lo escolher os meios e colocar em prática seus conhecimentos, para favorecer ao propósito de ambos.

Para o melhor entendimento e maior assertividade na comunicação com o cliente é preciso levantar qual o perfil e estilo de comunicação a ser adotada. Usando a informação para ter assertividade e conseguir se comunicar com clareza e dinâmica, criando um canal aberto que permite o diálogo entre as partes, confiança e entendimento.

 

Conte com o apoio da consultoria da Dynargie para mudar!

A Dynargie oferece solução de Comunicação Personalizada, para situações de negociação e vendas, apresentando estruturas simples e práticas que transformam a comunicação eficaz entre o locutor e o interlocutor, com a dinâmica adequada para geração de resultados e uso sustentável da energia, contribuindo para maior produtividade e equilíbrio no clima.

Atuamos no human side of business com o propósito de transformar comportamentos e impactar resultados. Nossas soluções estão em linha com as necessidades atuais de formação e desenvolvimento e fazem parte de nosso DNA. Em nossos programas, antes das técnicas, abordamos a importância da mentalidade adequada para lidar com esse novo contexto de mundo.

Conheça mais a nosso respeito no site www.dynargie.com.br, no Blog www.blog.dynargie.com.br e siga-nos no Linkedin dynargie-brasil e no Instagram
dynargie_brasil.

Inteligência Emocional: Como lidar com as emoções e sentimentos?

 

Você tem facilidade de identificar suas próprias emoções e as dos outros? Resolve os conflitos com facilidade? Mantem-se motivado? Equilibra a razão e a emoção?

A forma como lidamos com os nossos sentimentos, reagimos às situações e interagimos com as pessoas, pode dizer muito a nosso respeito e até determinar uma carreira bem-sucedida e uma vida mais alegre.

Você já deve ter ouvido esta frase clássica, que diz que “as pessoas são contratadas por suas habilidades técnicas, mas são demitidas pelo seu comportamento”. Então, ela a realidade das organizações ao longo das últimas décadas.

A razão é simples: em uma era digital como está que estamos vivendo e evoluindo cada vez mais, os aspectos técnicos vêm sendo supridos por esses avanços tecnológicos, como a inteligência artificial e do machine learning (aprendizado da máquina).

Quem aqui não recorre a internet quando tem uma dúvida técnica? Neste cenário, a exigência se volta para o desenvolvimento de habilidades comportamentais, as chamadas soft skills, em um processo que precisa ser contínuo para lidar com as situações complexas já existentes e as que ainda irão surgir. E uma das soft skills mais importante e difícil de se desenvolver é justamente a Inteligência Emocional.

A Inteligência Emocional é um conjunto de emoções básicas que vivenciamos no nosso dia a dia como: o medo, a alegria, a raiva, a tristeza, aversão, entre outras. Quando identificada, nos permite gerenciar essas emoções e sentimentos, trazendo maior equilíbrio na vida pessoal e sucesso profissional. É como se uma pessoa que consegue terminar suas tarefas, cumprir suas metas, mesmo assim se sente triste e ansiosa ao longo de um dia de trabalho, por exemplo.

Resumidamente, a Inteligência Emocional é a capacidade de reconhecer as próprias emoções e as dos outros, e usar esse conhecimento para orientar o pensamento e o comportamento.

É saber lidar com momentos de dificuldade e melhorar os relacionamentos interpessoais, que dependem de gerenciarmos nossos pensamentos, sentimentos e as atitudes. Essa é uma habilidade que pode ser desenvolvida ao longo de nossa existência.

Contudo, para que a Inteligência Emocional seja desenvolvida, é preciso adquirir conhecimentos específicos sobre si e os outros à sua volta, favorecendo o bom relacionamento entre as pessoas, permitindo um maior entendimento das relações pessoais, e a melhor interação (e comunicação) no trabalho. Portanto, há vantagens nos dois setores.

Além disso, a Inteligência Emocional influencia, de forma positiva, a saúde física e mental. Ela previne transtornos psicológicos, como ansiedade e depressão, bem como distúrbios psicossomáticos.

As pessoas que conseguem desenvolver Inteligência Emocional são cada vez mais valorizadas. Isso porque reconhecer suas próprias limitações e trabalhar para ser indulgente com as falhas dos outros, são capacidades acessíveis apenas àqueles que estão em permanente estado de vigilância na busca pela excelência, portanto, valorizadas pelas empresas.

Algumas dicas para desenvolver a Inteligência Emocional que podem ajudar:

1. Observe e analise seu próprio comportamento

Entenda suas emoções e sentimentos. Observe quais são as reações da mente e do corpo, além das sensações e dos pensamentos que foram instigados. Descubra o que desencadeou tais reações físicas e mentais.

2. Compreenda sua trajetória

Reflita sobre a própria trajetória para compreender como a história individual tende a levar à repetição de emoções e comportamentos.

3. Observar qual é sua forma de expressão

Seu comportamento é enérgico ou mais tranquilo? Comete atos precipitados e impulsivos, no calor do momento?

4. Como trabalhar suas emoções

Observe quais emoções lhe afligem e saem do controle. Quando elas as acometem de forma intensa e acabam com sua estabilidade.

5. Desvendar sua Autoconfiança

Reconheça seus pontos fracos e fortes, para que possa modificá-los ou aprimorá-los. Acreditar no seu potencial e em suas habilidades fortalecem a ideia de que tem a capacidade necessária para gerenciar os momentos de crise e superar as dificuldades.

6. Conheça os seus limites

Seus limites serão descobertos à medida que você avançar no autoconhecimento, por isso é tão importante conhecer-se cada dia mais. Além de ter plena certeza de quais são os seus defeitos e as suas qualidades, é preciso reconhecer que tem, sim, alguns limites. Conhecer seus limites significam respeitar a si mesmo.

 

Conte com o apoio da consultoria da Dynargie para mudar!

A Dynargie oferece solução de Inteligência Emocional para todos os níveis organizacionais e as empresas que podem contar com um programa sob demanda para o aprimoramento e aprendizado contínuo. Este programa apoia os participantes a identificarem e a gerenciarem suas emoções e sentimentos, trazendo maior equilíbrio na vida profissional.

Atuamos no human side of business com o propósito de transformar comportamentos e impactar resultados. Nossas soluções estão em linha com as necessidades atuais de formação e desenvolvimento e fazem parte de nosso DNA. Em nossos programas, antes das técnicas, abordamos a importância da mentalidade adequada para lidar com esse novo contexto de mundo.

Conheça mais a nosso respeito no site www.dynargie.com.br, no Blog www.blog.dynargie.com.br e siga-nos no Linkedin dynargie-brasil e no Instagram
dynargie_brasil.

Como especulações influenciam atitudes

Muitas atitudes são reações de imagens que fabricamos em nossa cabeça – mas que nem sempre condizem com a realidade

 

Já falamos aqui no blog sobre a importância de causar uma boa impressão e ser bem-sucedido logo nos primeiros cinco minutos de uma reunião. Mas, antes mesmo da ocasião acontecer existem outros tantos minutinhos tão essenciais quanto impressionar o seu cliente. É quando a mente começa a fabricar uma teoria do que vai acontecer ou criar uma figura do nosso interlocutor, e se não estivermos atentos a como especulações influenciam atitudes, todo o esforço feito até aqui pode ruir em segundos.

Para visualizar melhor, vamos imaginar uma situação em que desenhamos o nosso interlocutor como uma pessoa muito importante, cheia de compromissos e pouco amigável. Acrescente também outros elementos a essa concepção do seu prospect:  o peso do nome, do cargo, da empresa, bem como o ambiente em que nos recebe – e o quanto nos faz esperar.

Verdadeira ou não, nossa reação será em função desta criação, isto é, tendemos a acelerar a nossa exposição para tomar dele o menor tempo possível, pedir desculpas inúmeras vezes por usar o seu precioso horário ou enxergar a nós mesmos como um estorvo, um atraso na rotina. E, além de reagirmos dessa maneira, ainda enfrentamos a nossa própria insegurança e a descrença naquilo que estamos oferecendo. Ou seja, todos os pontos ganhos acabam se dissolvendo facilmente com esta entrada catastrófica na negociação.

O fato é que isso faz parte do trabalho do cérebro e, independente da nossa vontade, não há como impedir. Afinal, quantas vezes já nos frustramos esperando por uma coisa e nos deparamos com outra? Então, como controlar os pensamentos e ideias para que não nos prejudiquem? Mais ainda, como utilizar tais concepções de forma positiva?

O primeiro passo é tomar consciência sobre esta influência em nossos atos. Por exemplo, seu colega diz que o chefe quer falar urgente com você. Em milésimos de segundos, já pensamos em mil e uma possibilidades sobre o assunto. Sabendo isso, é importante que recobremos nossa sobriedade e saibamos distinguir o que é uma hipótese do que é real. Muitas vezes, a imagem que produzimos é distorcida da realidade – principalmente para os ansiosos que acabam sofrendo por antecedência. Em seguida, é hora de tornar a sua reflexão um preparo para entrar na conversa com mente e ouvidos abertos e, ao mesmo tempo, estar pronto para receber notícias boas ou ruins.

Caso contrário, podemos nos perder em nós mesmos e por consequência, adotamos um tom defensivo, irritado ou desanimado ao encontrar o gestor. Lembre-se que, se por acaso ele estivesse cogitando conceder aquela promoção tão almejada, uma atitude assim talvez o faça repensar e adiar a oportunidade. O oposto também vale: confiança excessiva de que ganhará o aumento dificulta o diálogo quando a resposta é um “não”.

Para praticar a autoconsciência e ter a nítida noção de que os devaneios de nossa cabeça têm potencial positivo e negativo, seja durante uma venda, seja no dia a dia, procure perceber suas próprias ações e entender a razão de determinados comportamentos e frases ditas. Esteja consciente das imagens preconcebidas e utilize-as para te favorecer.

Deu errado, e agora?

 Imagem Post

Confira 5 atitudes que vão te ajudar a enfrentar melhor as questões do dia a dia

Sonhamos, planejamos e trabalhamos arduamente. Contudo, nem sempre o barco flui como queremos. Talvez, por mares remotos, são os ventos que sopram em direção contrária ou a tripulação que não está remando corretamente. Problemas, erros e imprevistos podem acontecer a qualquer momento – infelizmente. Ou será felizmente?

Embora ninguém goste das adversidades da vida, é com elas que amadurecemos. É claro que se pudermos evitar esta tensão, será muito mais fácil. Mas, se o leite já estiver derramado, não adianta chorar. É hora de agir! Então, comece com uma visão mais positiva, encarando tais contratempos como desafios e aprendizados. Assim, mudamos aquela realidade estressante para algo instigante, mesmo quando o nervosismo é grande.

Veja algumas dicas para encarar melhor os problemas:

 Não permita que o medo paralise você

Ter medo é normal. O que não podemos é deixar que ele nos impeça de agir. Seja corajoso e não desista. Aos poucos, o medo é substituído pela satisfação do dever cumprido.

 Saiba receber críticas

Críticas são oportunidades de aprendizado. Para enxergá-las assim, é preciso conter a reação mais imediata, que provavelmente seria muito mais emocional. O importante é tentar extrair o principal da crítica recebida, avaliar e tentar melhorar. Por fim, agradeça, especialmente se for daquelas críticas agressivas ou que não agregam nada. Além de elegante, é inesperado e também leva seu interlocutor à reflexão.

 Recomece! Defina objetivos e estabeleça prioridades

Não importa em que ponto parou ou o que deu errado, sempre é possível recomeçar. Pense aonde quer chegar, mas seja realista. Tenha em mente uma meta que seja ambiciosa e concreta e estabeleça o prazo para ser alcançada. Para isso, monte critérios que definam graus de prioridade. As razões de importância podem ser diversas (afetivas, dever, moral, etc.). Diante dos problemas, é mais fácil ser positivo quando se está trabalhando em função de uma meta.

 Tenha atitude positiva sobre o tempo

De nada serve se queixar de ter muito ou pouco tempo ou de ter trabalhado demais (quando as tarefas e obrigações parecem penosas ou difíceis). Ter  uma  atitude  positiva  frente  ao  tempo  é  investir  positivamente a energia  física  e  intelectual, procurando conscientemente descobrir e apreciar os aspectos positivos das coisas que temos oportunidade de viver. Isso ajuda a se dominar a fim de melhor gerenciar o tempo.

 Previna-se com um planejamento efetivo

Para diminuir o stress quando os problemas aparecem, precisamos estar preparados. Para isso, é importante planejar. Estudar os caminhos a serem percorridos e pequenas metas a serem cumpridas. Faça planos em longo, médio e curto prazo. E não se esqueça de pensar no que pode dar errado e possíveis imprevistos. Isso te dará uma gama de alternativas quando os obstáculos aparecerem, deixando-o mais confiante!

Inteligência Emocional – desenvolva a sua!

Post do blog

Quem é inteligente emocionalmente alcança o autoconhecimento em seu modelo de resposta aos estímulos da vida

O tema é campeão de vendas nas livrarias e nas buscas por palestras e treinamentos. Em organizações, também é visto como diferencial dos profissionais. Mas, afinal, o que é ser Inteligente Emocionalmente?

Partimos do princípio Dinérgico de que emoção é um ESTADO e não uma CONDIÇÃO. Aquela mania de dizer “Eu SOU muito emotivo” é, muitas vezes, um equívoco perigoso. Ele faz com que acreditemos realmente SER, quando na verdade o que acontece é que ESTAMOS emotivos por um ou mais motivos.

Estar “emocionado” é uma condição de quem está vivo. Basta respirar para estar suscetível às emoções. Afinal, somos estimulados a todo o momento, seja por fatores internos (memórias e percepções) ou externos (relações interpessoais, TV, rádio, etc).

Processamos e transformamos em percepções da realidade cinco emoções básicas:

  • Medo
  • Alegria
  • Raiva
  • Tristeza
  • Aversão

Pelos filtros criados à partir das nossas percepções, estabelecemos o nosso modelo de mundo e padronizamos as nossas respostas ao ambiente.

E ainda que medo, tristeza e aversão provoquem certo desconforto, todas as emoções são necessárias, pois sua função é adaptativa, servindo como bússola direcionadora das nossas ações. Imagine, por exemplo, como seria uma vida totalmente desprovida de medo ou aversão?

Quem é inteligente emocionalmente alcança o autoconhecimento em seu modelo de resposta aos estímulos da vida. Pensa de forma consciente antes de agir, deixando de lado a reação e a postura de “refém das relações” e tornando-se agente das próprias emoções e relações.

Para dar o primeiro passo em direção à sua Inteligência Emocional, leve em consideração os seguintes aspectos:

1)      Mantenha a autopercepção e a autenticidade independente da opinião das outras pessoas.

2)      Cuide das relações interpessoais e pratique a empatia.

3)      Adapte-se aos ambientes e situações, mesmo que estejam fora da sua zona de conforto.

4)      Enfrente as situações que geram stress no intuito de resolvê-las. Atenção: enfrentar é diferente de confrontar!

5)      Mantenha a visão otimista no futuro e não se deixe abater pelas situações de crise. Quanto antes puder se reestabelecer, melhor!

Siga-nos nas redes