Pressão sobre as vendas: é bom ou ruim?

A pressão sobre as vendas parece fazer parte da área comercial. Afinal, a meta “precisa ser cumprida”, muitos justificariam. A questão é: será que pressionar é realmente eficaz? Nas situações em que os números estipulados são atingidos, é até possível afirmar que sim. Mas, o que dizer quando o resultado fica aquém do esperado? A culpa é apenas do vendedor? Até que ponto a cobrança tem influência positiva ou negativa?

A pressão sobre as vendas na área comercial

A pressão sobre as vendas é uma pauta intrínseca ao departamento comercial. Sob diversas óticas, é quase impossível escapar das cobranças, sejam elas internas ou externas. Mesmo sem querer, exigências fazem parte da rotina dessa área.

Pressão interna

Internamente, costuma haver um misto de preocupação, ansiedade e adrenalina, que borbulham dentro de cada vendedor. Em doses certas, isso é transformado em ação na busca das metas. Portanto, as cotas possuem uma grande importância nesse sentido. E por si só, já pressionam as equipes. Se os alvos forem alcançados, “ótimo!”

Por outro lado, no cenário em que o resultado fica abaixo do esperado, a tensão aumenta. Além da pressão sobre as vendas inerente à área, podem se somar outras questões e sentimentos. Frustração, medo de perder o emprego, falta de confiança etc. costumam rondar a cabeça de quem ficou para trás. Se isso se repetir no próximo mês, a pressão sobre as vendas e o estresse aumentam na mesma medida. E é preciso saber lidar com possíveis instabilidades para que todo esse turbilhão não prejudique o desempenho e a saúde.

Pressão externa

Como se não bastasse a exigência do próprio vendedor em cima dele mesmo, a pressão sobre as vendas também vem de fatores externos. No contexto empresarial, a área comercial possui uma enorme responsabilidade. Em uma lógica simples, se a companhia não vende, não há lucro. Sem lucratividade, os negócios desandam. Para que isso não aconteça, líderes cobram suas equipes para fecharem negócio e atingirem os objetivos. E se o andamento não está dentro da expectativa, quanto mais próximo do prazo, maior é a pressão sobre as vendas.

Em algumas gestões ou culturas corporativas, há ainda a competição entre equipes ou colaboradores. O ranking costuma ser utilizado para instigar a corrida por resultados. Isso faz com que os colaboradores queiram superar não só a si mesmos como também os colegas. Por essa razão, esse tipo de impulso também pode ser encarado como uma pressão sobre as vendas. Afinal, ninguém quer ficar para trás, não é mesmo?

Como a pressão pode impulsionar as vendas

A pressão sobre as vendas é parte da área comercial – e ainda bem que isso existe. Essa tensão, até certo ponto, ajuda a impulsionar as ações e atitudes necessárias para vender. É como se fosse um estímulo para prospectar mais, correr atrás de clientes e dar o seu máximo para fechar negócio. Embora possa ser estressante, a adrenalina causada pela pressão nos ajuda sair do ponto em que estamos rumo ao objetivo que buscamos. Por essa razão, a presença do estresse pode ter um poder benéfico no trabalho. Mas é claro, desde que seja em níveis razoáveis e saudáveis.

A pressão nas vendas também ajuda como um reforço para cumprir a cota. Ainda que as pessoas não se esqueçam da meta, ressaltar a importância de cumpri-la também tem um viés motivador. Alguns perfis também costumam ficar ainda mais engajados quando são pressionados. E há aqueles que somente sob pressão conseguem realmente trazer o seu melhor, como se fosse “tudo ou nada”. Por isso, a forma como o gestor cobra e a personalidade do time influenciam e ditam o quão bom ou ruim será o resultado de colocar pressão sobre as vendas.

Quando a pressão sobre as vendas é prejudicial

A pressão sobre as vendas nem sempre é benéfica para obter bons resultados. Pressionar demais as equipes pode causar o efeito contrário. Ou seja, aumentar demais a ansiedade e a tensão pode incapacitar o vendedor. Em altos níveis de estresse, a pessoa perde a capacidade de concentração, prejudica sua tomada de decisões e resolução de problemas, entre outros. Consequentemente, isso afeta o desempenho dos colaboradores.

Alguns vendedores sob alta pressão podem se tornar mais agressivos. Isso faz com que deixem de lado a negociação ganha-ganha e queiram fechar o negócio custe o que custar. Já outros, simplesmente paralisam diante de tamanha carga de exigência. O medo e o desespero podem destruir prospecções e até recompras promissoras. Vale destacar ainda que o cliente sente esse clima tenso no ar e, geralmente, acaba recuando.

Outra situação ruim gerada nessas condições refere-se ao ambiente de trabalho. Se já é difícil lidar com aquele colega que está sempre nervoso, imagine conviver em um time inteiro estressado? A atmosfera fica propensa a conflitos, individualismo, competitividade com jogo desleal, entre outros aspectos tóxicos. Ou seja, além de encontrar dificuldade na negociação, o colaborador ainda enfrenta o relacionamento ruim com os colegas e um clima pesado para trabalhar.

Pressão sobre as vendas e o bem-estar da equipe

Como dito anteriormente, até certas “doses”, a pressão sobre as vendas é importante e benéfica. Porém quando passa do ponto, afeta o colaborador em diversos quesitos. Além da performance no trabalho, tanto a saúde física, como a saúde mental também são abaladas. Logo, isso reforça a importância de tentar encontrar uma forma equilibrada de impulsionar a equipe sem excessos. As cobranças fazem parte da área, mas o ideal é que sejam motivadoras e positivas. Uma boa dica para isso é conhecer os vendedores, entender o perfil de cada um e usar a empatia.

Outra recomendação importante é zelar pelo bem-estar da equipe. Isso é, promover um ambiente agradável para se trabalhar, preparar líderes para gerir pessoas, aprender a lidar com o estresse e dar suporte para o time se desenvolver. O conjunto de diversos fatores empregado de forma construtiva é que irá converter a pressão nas vendas em motivação, resultado e realizações.

Ambiente de trabalho saudável: 5 atitudes para melhorar o cotidiano

Promover um ambiente de trabalho saudável deve ser uma missão de todas as empresas.

Promover um ambiente de trabalho saudável deve ser uma missão de todas as empresas. A Organização Mundial de Saúde já deu o alerta sobre o aumento dos transtornos mentais. Também expôs que essas doenças irão gerar cada vez mais afastamentos no trabalho e provocar perdas financeiras significativas. Ou seja, agir agora é fundamental. E isso envolve um trabalho conjunto entre colaboradores, líderes, gestores, os responsáveis pela criação e manutenção da cultura organizacional, entre outros. Tudo isso será essencial para criar uma atmosfera agradável e melhorar o cotidiano. Confira algumas dicas e atitudes que podem ser aplicadas hoje mesmo!

Suporte à liderança

Criar um ambiente de trabalho saudável é mais fácil quando o exemplo vem de cima. Mais ainda quando essa construção tem o apoio de uma gestão que prioriza um clima mais agradável no cotidiano. Para isso, é importante oferecer suporte aos líderes, preparando-os para assumir o cargo e promovendo reciclagem de conhecimento. Desenvolver habilidade para gerir e lidar com pessoas é o que nos diferencia das máquinas, e é também o que fará toda a diferença nos resultados daqui para frente! Nesse sentido, é importante que as empresas auxiliem seus gestores para que a transformação ocorra em cadeia. Existem diversos programas que podem promover benefícios significativos para que gerentes, coordenadores e diretores alcancem a melhoria tanto em nível pessoal quanto para a companhia.

Escuta receptiva

Uma das atitudes mais importantes para começar a construir um ambiente de trabalho saudável é aprender a escutar. Mas não basta apenas ouvir as pessoas falarem, é preciso ir além. É aí que entra a “escuta receptiva”, um conceito da Dynargie que significa escutar o colaborador de forma aberta (ou seja, sem julgamentos, ok?). Para isso, é essencial que o interesse seja verdadeiro em querer saber e compreender o que o outro tem a dizer. É importante transmitir ao seu interlocutor que você o valoriza e que reconhece a importância de suas contribuições. Quando uma pessoa está escutando a outra receptivamente, de corpo e alma, quem se expressa sente isso. E esse é um dos maiores segredos para o desenvolvimento de relacionamentos sadios e de confiança.

Zero fofocas

Um ambiente de trabalho saudável deve ser livre de fofocas, que são bastante prejudiciais para quem as espalha e para as pessoas envolvidas. As consequências podem ser graves, como perda da confiança, má reputação, intrigas, entre outras. Por isso, é fundamental que todos se empenhem para evitar que boatos se espalhem de modo a impregnar o ambiente com um clima tóxico. Não há necessidade nenhuma de fazer comentários maliciosos ou especular sobre a vida alheia. Participar desse tipo de conversa pode prejudicar carreiras.

Colaboração

Um dos indicativos de que estamos em um ambiente de trabalho saudável é a presença de um clima colaborativo. Pessoas verdadeiramente dispostas a auxiliar o outro, que têm bom senso ao pedir ajuda, além de humildade para aceitar aquela “mãozinha” quando necessário, são mais proativas e melhoram a convivência com os outros. Vale também ensinar e aprender com o pessoal. Essa interação deixa a atmosfera mais aconchegante e amigável.

Também demonstra integração e o verdadeiro espírito de equipe. Afinal, estão todos juntos rumo a um mesmo objetivo, o de trazer resultados para a empresa. Nesse espírito, deixar alguém para trás pode ser prejudicial para todos. Então que tal oferecer ajuda, pedir quando necessitar (sem abusos, claro), ensinar e aprender com os outros? Esse pode ser um primeiro passo para fomentar um ambiente de trabalho saudável e colaborativo entre os colegas.

Mindset

Configurar o mindset é fundamental para transformar o local de trabalho em um ambiente saudável. É preciso apostar nesse movimento, investir na redução do estresse e construir com as pessoas uma atmosfera corporativa agradável. Todos devem crer nessas mudanças e fazer a sua parte. Assim sendo, o ideal é inserir a mudança de mentalidade e adequá-la de acordo com perfil da área. Esse cenário é perfeito quando encontra uma cultura organizacional que proporciona esse suporte. E a transformação é possível! Por mais que as empresas tenham tradições, valores e modelos aplicados há anos, nada é imutável. As soluções vão desde a iniciativa da equipe ou do líder, passando por consultorias capazes de trazer soluções, até mesmo uma grande roda de debate.

Case Valeo: investindo em bem-estar no trabalho

Valeo Sistemas Automotivos

Multinacional europeia, a Valeo Sistemas Automotivos é uma empresa fornecedora de produtos automotivos desde 1923. É responsável por abastecer o mercado global em diversos setores, especialmente de fabricantes de automóveis do mundo todo. Para isso, a organização conta com mais 100 mil colaboradores, 184 fábricas, 55 centros de pesquisas e desenvolvimento e 15 centros de distribuição em 33 países. Assim, atua com soluções tecnológicas inovadoras para fomentar a mobilidade inteligente e focada na redução das emissões de CO2.

Kleber Daniel, HR Director South America da Valeo Sistemas Automotivos
Kleber Daniel, HR Director South America da Valeo Sistemas Automotivos

“A Valeo entende que o estresse e outros fatores psicossociais são grandes ameaças ao ambiente de trabalho, aos nossos funcionários e à organização. Entendemos que investir no bem-estar dos colaboradores pode contribuir para a redução de absenteísmo, redução de custos médicos nos planos de saúde e na retenção de nossos funcionários”, afirma Kleber Daniel, HR Director South America da Valeo Sistemas Automotivos. Por isso, está mais do que comprovada a íntima relação entre cultura corporativa e potencial econômico. Afinal, estamos falando do ativo mais importante que qualquer organização possui: seus profissionais.

 

 

 

Por que investir em bem-estar no trabalho?

Saber investir em bem-estar no trabalho é primordial no mundo corporativo atual, diante da grande exposição ao estresse que os profissionais sofrem. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, os transtornos psíquicos serão a maior causa de afastamento no trabalho até 2020. O Ministério da Saúde também já mostra como os auxílios-doença relacionados ao trabalho estão ganhando expressividade. E os dados são alarmantes: reações ao estresse grave, problemas de adaptação, episódios depressivos e outros transtornos ansiosos causaram 79% dos afastamentos no período de 2012 a 2016.

Além do aumento das síndromes emocionais, os números mostram um cenário que destaca a necessidade de investimentos em bem-estar dos colaboradores. Afinal, se nada for feito, será difícil manter a produtividade, bem como evitar os prejuízos empresariais. “O aumento no volume de situações de desequilíbrio emocional impacta a qualidade das entregas, a satisfação dos clientes e provoca prejuízo global da ordem de US$ 1 trilhão todo ano”, explica Carlos Cezar, sócio e consultor da Dynargie Brasil.

Importância de investir em bem-estar no trabalho

Para Kleber Daniel, investir em bem-estar “não é mais uma moda ou algo praticado por startups. As pessoas buscam trabalhar em empresas saudáveis, que se preocupam com a saúde mental de seus liderados. O equilíbrio entre vida profissional e pessoal é cada vez mais desejado, principalmente por essas novas gerações que buscam e valorizam esse tipo de gestão, e que não irão se vincular a organizações que não tenham políticas de bem-estar no trabalho e os benefícios que elas proporcionam”.

Com um ambiente mais agradável, por exemplo, os colaboradores ganham mais qualidade de vida no dia a dia. Isso faz com que tenham mais prazer em realizar suas demandas. Essa satisfação vira energia para se esforçarem e conquistarem cada vez mais excelência. Toda essa atmosfera é sentida pelo cliente. Além de ver um produto bem-feito, o interlocutor consegue enxergar a paixão do profissional e sente a harmonia da empresa.

Empresas que investem em bem-estar aumentam a produtividade e o lucro

É fato: empresas que investem em bem-estar no trabalho aumentam a produtividade e o lucro, além de reter seus talentos. Para comprovar essa tese, pesquisadores analisaram a relação entre a cultura organizacional e o impacto no desempenho financeiro. O resultado, publicado no artigo Workplace culture: helping or hurting your business, não só confirmou, como tornou essa teoria ainda mais evidente. As organizações que investiram positivamente no local de trabalho obtiveram aumento de 682% no crescimento da receita em 11 anos. Ainda segundo a pesquisa, as companhias que não tiveram esse olhar apresentaram 166% de desenvolvimento financeiro, no mesmo período.

Como promover bem-estar no trabalho?

Para promover bem-estar no trabalho, a Dynargie desenvolveu o Play Well, programa de gestão que promove um ambiente mais harmônico e agradável. Para isso, os consultores atuam exatamente no foco da questão: o estresse. Assim, o trabalho oferece ferramentas imprescindíveis para que as pessoas saibam lidar bem com as adversidades do dia a dia. Na prática, isso significa transformar essa tensão em algo mais produtivo, focando no uso da energia estritamente necessária.

O Play Well funciona de acordo com a necessidade de cada cliente. Isso é, cada empresa tem especificidades que definem como promover bem-estar no trabalho. Por isso, a ideia de obter um passo a passo pronto não existe. Neste trabalho, cada organização, setor, liderança e equipe são únicos. O Play Well identifica as reais necessidades, analisa as dificuldades e compreende os fenômenos que geram o estresse.

Desafios

“A Valeo tem como uma de suas estratégias globais uma política de Wellbeing, que no Brasil chamamos de Bem-Estar no Trabalho. Nossa ideia era de começar a fazer o deployment dessa política, reforçando os conceitos de bem-estar no trabalho e sua importância no dia a dia, começando com toda a liderança da organização. A Dynargie tinha esse programa definido, e após uma revisão juntos adequamos a nossa realidade e partimos para ação”, conta Kleber Daniel, HR Director South America da Valeo.

“As pessoas estão sendo obrigadas a rever a forma com que enxergam, pensam e estão no mundo. A sustentabilidade já não é mais um luxo e não se limita à relação com a natureza, ela se estende à relação entre pessoas. Viver em ambientes corporativos sustentáveis será a diferença entre saúde e doença. Gestores e geridos terão que transformar seus comportamentos em benefício de uma relação mais positiva. Diante desse cenário, propício ao desequilíbrio, os gestores da Valeo foram estimulados a refletir sobre diversos aspectos. Em conjunto, eles pensaram sobre os impactos que possíveis situações de estresse provocam em si e como isso afeta as equipes. Consequentemente, toda essa circunstância acaba gerando conflitos que atrapalham o processo de trabalho. Como resultado, a saúde e o bem-estar no ambiente entram em queda, reduzindo a produtividade”, conta Carlos Cezar, sócio e consultor da Dynargie Brasil.

Solução

A longo do processo, o investimento em bem-estar no trabalho se transforma em solução. O primeiro passo é identificar e admitir a presença do estresse. Em seguida, a tarefa é aprender a gerenciá-lo para obter mais qualidade de vida. Isso significa não só o desenvolvimento do autocontrole, mas aproveitar de forma mais benéfica o próprio nervosismo. Os agentes estressores têm a importante função de preparar corpo e mente para enfrentar uma dificuldade. Quando encontramos equilíbrio emocional, conseguimos extrair o lado positivo dessas reações corporais. Assim, transformamos a ansiedade, a raiva ou a frustração em impulso para fazer as coisas acontecerem.

Carlos Cezar explica que é um processo de reflexão estruturado e conjunto, que conduz os gestores a compreenderem o que é estresse, suas dimensões, sintomas e impactos. A partir daí eles se tornam protagonistas em identificar alternativas para restaurar o equilíbrio do próprio bem-estar, quando necessário. Consequentemente, restabelecem a harmonia do ambiente e podem influenciar seus liderados.

Através do programa Play Well, o investimento em bem-estar no trabalho traz vantagens e benefícios em cadeia. Isso é possível porque a Dynargie atua como especialista em detectar e solucionar os conflitos dentro de uma organização. Muitas vezes, esses conflitos são, inclusive, desconhecidos pela própria companhia. Neste aspecto, a consultoria tem a prerrogativa de uma visão externa, livre de envolvimento, emoções e perspectivas, analisando dados e investigando os processos de forma mais crítica e lógica.

Resultados

O investimento em bem-estar no trabalho através do programa Play Well traz inúmeros benefícios. Kleber Daniel listou os principais ensinamentos:

  • Muitos fatores de stress levantados pelos participantes não são gerados dentro do ambiente de trabalho e sim por situações pessoais ligadas à família, saúde ou questões pessoais;
  • A falta de habilidade da liderança em entender esses fatores geradores e buscar um acolhimento desse sentimento tem impacto direto na potencialização ou não do stress e suas consequências;
  • A liderança reconheceu o “Play Well” como uma ferramenta poderosa de suporte à liderança em um assunto que não é ainda muito difundido pelas organizações;
  • E por fim, que a própria liderança precisa de uma ferramenta para entender os fatores de estresse, buscar um autogerenciamento e se preparar para apoiar seus liderados.

“Creio que para ambos líderes e liderados mostraram muita abertura e aderência na prática do Well being no trabalho e nas questões do dia a dia. O assunto é desafiador e requer muita disciplina e atenção à gestão de pessoas. Ainda existe um caminho grande na mudança do “mindset” da liderança no geral para que consigam fazer uma conexão direta entre a prática do wellbeing e os benefícios diretos como uma melhora na produtividade, clima interno e engajamento dos times”, explica o HR Director South America da Valeo.

Bem-estar no trabalho: uma missão da gestão

Bem-estar no trabalho

O bem-estar no trabalho deve ser uma missão da gestão em todas as empresas. Com o crescente aumento das síndromes mentais, zelar pela saúde dos colaboradores deixou há muito tempo de ser um mero benefício. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, os transtornos psíquicos serão a maior causa de afastamento no trabalho até 2020. E se isso já impressiona, quando analisamos os custos, o choque é ainda maior. O Banco Mundial afirma que o impacto das doenças emocionais na economia do mundo é de US$1 Tri.

Os dados mostram que zelar pelo bem-estar no trabalho é, hoje, um verdadeiro investimento em produtividade. Esta afirmação ganha ainda mais relevância porque já foi comprovado que muitas doenças como depressão, ansiedade e burnout são ocasionadas ou agravadas no mundo corporativo. Por isso, as organizações precisam se empenhar em proporcionar um ambiente mais saudável aos seus colaboradores. Além de evitar as faltas e os gastos, esse cuidado previne enfermidades e promove o aumento de desempenho da equipe.

Bem-estar no trabalho: saúde do colaborador

Na última década, diversas pesquisas mostram como o bem-estar no trabalho tem influência na saúde do colaborador. Os resultados expõem o aumento das mais diversas doenças e a relação delas com o mundo corporativo. De acordo com o Ministério da Saúde, os auxílios-doença relacionados ao trabalho são bastante expressivos. Reações ao estresse grave e transtornos de adaptação, episódios depressivos e outros transtornos ansiosos causaram 79% dos afastamentos no período de 2012 a 2016.

Os números apontam uma responsabilidade não só do profissional, mas das empresas com relação ao bem-estar no trabalho. Isso porque o elevado nível de estresse influencia diretamente no funcionamento do corpo humano. A pessoa pode sofrer desde uma pequena baixa no sistema imunológico até um AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Situações que influenciam negativamente o bem-estar no trabalho

Existe uma série de situações que afetam o bem-estar no trabalho. A alta carga de tensão, por exemplo, pode gerar dores musculares, enxaqueca e gastrite. Pressão e cobrança excessiva são um prato cheio para o desenvolvimento de doenças crônicas, como hipertensão, diabetes e problemas cardiovasculares. Já o assédio moral e sexual, chefes que lideram no grito, e ambientes hostis são ingredientes que prejudicam a saúde mental do colaborador e favorecem o surgimento da síndrome do pânico, transtorno de ansiedade e depressão.

Bem-estar no trabalho: saúde da empresa  

É visível que o estresse e outros incômodos ameaçam o bem-estar no trabalho. Consequentemente, também comprometem a satisfação e a saúde do colaborador. Aliás, afetam não só o profissional, mas também, a própria companhia. A empresa corre o risco de perder um talento com sua saída espontânea ou por afastamento médico.

Trabalhar doente pode indicar falta de bem-estar no trabalho

Em tempos de crise ou simplesmente pela pressão do serviço, muitos profissionais se sentem forçados a ir ao escritório, mesmo não se sentindo bem. A atitude costuma ser vista como louvável, demonstrando responsabilidade e esforço do colaborador. E, sim, é realmente tudo isso. A questão é que esse mesmo comportamento também pode prejudicar os negócios. Aliás, a presença pode ser até pior do que a falta.

A coação para trabalhar doente sinaliza que os cuidados com o bem-estar no trabalho têm sido deixados de lado. E isso já deveria alertar as organizações. Mas uma pesquisa realizada no Reino Unido pelo Chartered Institute of Personnel and Development afirma que apenas 30% das empresas investigam a presença dos colaboradores nessas condições.

Por que trabalhar doente revela ausência de bem-estar no trabalho e prejudica os negócios?

Nos casos de doenças contagiosas, ainda que se trate apenas de uma gripe, a presença do colaborador coloca toda a empresa em risco de infecção. Afinal, basta um espirro para proliferar o vírus no ar e interferir no bem-estar no trabalho. Isso sem falar que a falta de descanso é danosa para a recuperação do paciente.

Trabalhar doente também faz mal pros negócios porque diminui a capacidade de produção do profissional. Além de ser ruim para a carreira do colaborador, a companhia sofre com essa ineficiência. Nas ocorrências de doenças psiquiátricas, a falta de concentração e o estresse se elevam a níveis exorbitantes. E inicia-se aí um ciclo de aumento da cobrança na mesma proporção que piora o estado do profissional.  O clima fica ruim, a improdutividade se torna evidente e ainda é preciso enfrentar o preconceito. Infelizmente, mesmo com o assunto em alta, esse tipo de enfermidade ainda é visto como “frescura” e não recebe a seriedade que merece.

Como se isso não bastasse, os gastos com o restabelecimento da saúde são altos. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho, só os custos dos transtornos mentais relacionados ao trabalho representam 3% do PIB da União Europeia. Isso sem falar nos riscos de processos trabalhistas.

Bem-estar no trabalho: prevenção de doenças e produtividade 

Diante de todo esse cenário, parece até óbvio dizer que companhias que não valorizam o bem-estar no trabalho colocam o seu próprio desenvolvimento em risco. Afinal, como sempre dizemos: empresas são feitas de pessoas. E é preciso lembrar que mesmo com os avanços da tecnologia, são os profissionais que fazem os negócios acontecerem.

Por essa razão, o investimento em proporcionar um ambiente e uma experiência mais agradável ao colaborador é primordial. Enquanto quem negligencia o tema sofre com prejuízos, o contrário traz benefícios. As organizações que investem no bem-estar no trabalho e zelam pela saúde física, mental, psicossocial e pela satisfação de seus colaboradores, têm nas mãos catalisadores de resultados positivos.

Ao longo de quase quatro décadas, a Dynargie já provou nos diversos países em que atua que cuidar dos colaboradores é a receita de sucesso. A atenção com o bem-estar no trabalho confere poderes incríveis. A prevenção de doenças se torna sinônimo de produtividade. Já a satisfação passa significar motivação, criatividade e inovação.

Bem-estar no trabalho: existência do estresse

Neste ponto da conversa, a pergunta que fica é: como promover bem-estar no trabalho? O primeiro passo é simplesmente admitir que o estresse existe e que ele é praticamente inevitável. Cabe lembrar ainda que os agentes estressantes são por natureza um mecanismo de defesa. A sua função é alertar e preparar o corpo e a mente para uma dificuldade. Na prática, é aquele impulso que temos para resolver algum entrave ou dar aquela atenção a mais ao projeto.

A questão é que em altos níveis, o estresse atrapalha o bem-estar no trabalho e provoca uma série de prejuízos. Não é à toa que o burnout foi recentemente reconhecido e incluído na Classificação Internacional de Doenças (CID) como Síndrome de Burnout. Trata-se de um esgotamento físico e mental intenso, ligado diretamente à vida profissional. Como na tradução do termo, o paciente se rende à exaustão, entrando em colapso.

Gerenciamento do estresse para promoção do bem-estar no trabalho

Se o estresse existe e em altos níveis pode ser prejudicial, a solução é aprender a gerenciá-lo para obter mais qualidade de vida e bem-estar. Isso porque ressaltamos que os agentes estressores têm uma função muito importante no corpo humano. E sim, também podem ser benéficos. Portanto, aprender a lidar com essas tensões inevitáveis é fundamental.

Quando mantemos a taxa emocional equilibrada, conseguimos extrair o lado positivo dessas reações corporais. Ou seja, transformamos o estresse e a ansiedade em impulso para fazer as coisas acontecerem, zelar pela perfeição do projeto e se esforçar para entregar no prazo. Aprender a administrar o nervosismo natural faz parte do empenho com a companhia em promover bem-estar no trabalho.

Outra vantagem é que filtramos melhor aquilo que realmente merece a nossa atenção. Quantas vezes nos estressamos com algo que não tem importância? Saber evitar esse tipo de irritação contribui não só para a vida profissional, como para a pessoal. Gerenciar essas emoções é saber dedicar a energia para o que é preciso.

Bem-estar no trabalho: uma missão da gestão

A lógica é bem simples: o bem-estar no trabalho favorece a produtividade e previne doenças, bem como os prejuízos a elas associados. A atmosfera fica mais propícia a render frutos positivos, expandir os negócios, desenvolver carreiras, e tantas outras coisas boas. Logo, o bem-estar no trabalho deve ser uma missão da gestão de todas as empresas.

O papel da gestão na missão de promover bem-estar no trabalho

A gestão é responsável por provocar as transformações necessárias, zelar por cada colaborador e avaliar os resultados. É preciso estar atento não só às tarefas em si, mas também em quem as executa. Quando os líderes valorizam as pessoas, este pequeno gesto se transforma em exemplo para a equipe. Naturalmente, o mesmo cuidado se prolifera entre os colegas, mantendo um alto nível de energia geral e fazendo com que todos contribuam.

Por isso, é importante que as atitudes venham de cima. Os gestores precisam fazer a sua parte para que os liderados o sigam na mesma direção. Se o chefe grita e se descontrola, o clima entre os colegas também fica pesado. O bem-estar no trabalho requer a ajuda de todos, mas o papel da gestão é fundamental.

Promoção de bem-estar no trabalho é uma missão contínua

Promover bem-estar no trabalho é uma missão desafiadora, porém, muito benéfica. O esforço deve ser contínuo e diário, porque o estresse no trabalho é praticamente inevitável. Por essa razão, o Play Well da Dynargie não é um treinamento, mas um programa de gestão. Os consultores levam conhecimento e ferramentas para gerenciar as tensões do dia a dia, acompanham os resultados e traçam um plano de ação em conjunto com os participantes.

Diferentemente de uma receita de bolo, as medidas a serem tomadas são muito particulares. Por exemplo, os prazos apertados podem ser os gatilhos do estresse de um setor, enquanto em outro departamento a questão pode estar na alta demanda. Dessa forma, é preciso analisar e observar as reais necessidades de cada organização ou divisão. Quando entendemos os fenômenos e o que deve ser feito, se torna possível administrar a preocupação e as tensões.  

Nosso Propósito é: “Transformar Comportamentos. Impactar Resultados.”

Fale conosco: +55 11 5505-1460 – brasil@dynargie.com.br

10 práticas que podem arruinar uma empresa – Parte2

 

engrenagem2

Um ambiente de trabalho ruim, profissionais desmotivados ou estressados e desvalorização provocam queda na produtividade e insatisfação de clientes 

 

Já sabemos que líderes incapazes de liderar, metas inatingíveis, falta de investimento no capital humano, ausência de reconhecimento e valorização, assim como não saber recompensar são 5 das 10 práticas que podem arruinar uma empresa. Agora, vamos reconhecer (e começar a eliminar) o que mais anda impedindo o crescimento da sua empresa.

 6. Intolerância ao erro

Errar é humano e é fundamental – principalmente quando se busca inovação e criatividade. Mas parece que o mundo corporativo se esquece disso às vezes, julgando tentativas de acerto como falhas imperdoáveis. Grandes inventores erraram inúmeras vezes até realizarem suas proezas. Ideias fantásticas surgiram de “besteiras” ditas durante um brainstorming. Então, por que não permitir o erro?

7. Ignorar ideias

É muito comum encontrar monólogos entre gestor e colaborador: “manda quem pode, obedece quem tem juízo”. Quem acredita nisso, mal sabe que esse é um grande desperdício de talento, além de gerar falta de comprometimento, desestimular novas criações e comprometer a confiança. É preciso entender a legitimidade dos profissionais em serem consultados, de tomarem conhecimento, de participarem. Por isso, é extremamente importante escutá-los receptivamente.

8. Ambiente de trabalho desagradável

Preconceito, fofocas, procurar culpados ao invés de soluções, falta de confiança, lideranças fracas ou chefes abusivos, descaso com colaboradores, ambiente descortês e pouco colaborativo são apenas alguns exemplos do que pode tornar o clima na empresa intragável, infeliz e, consequentemente, com baixo rendimento. Não é à toa que há tantos profissionais que contam as horas para irem embora.

9. Qualidade de vida zero

A exigência que suga excessivamente a energia da pessoa, incontáveis horas extras, falta de flexibilidade de horários e de local de trabalho, pouca empatia e compreensão, ausência de pausas e má alimentação em decorrência da correria. Tudo isso prejudica a qualidade de vida, afetando a saúde e, por sua vez, o trabalho. Insônia e cansaço, por exemplo, atrapalham o rendimento, enfraquecem o corpo e podem gerar doenças. O mesmo vale para os programas falhos de promoção à saúde, como os de empresas que oferecem academia, mas não adotam uma carga horária que permita a assiduidade dos colaboradores.

10. Discurso X realidade

Na visão, missão e valores da corporação, o discurso é lindo. Contudo, na prática, a coisa parece ser bem diferente. Há diversos casos em que palavras são inflamadas ao elogiar uma bem-sucedida gestão participativa, quando no fundo, a equipe nunca recebeu atenção. São impostas regras rígidas, como proibir conversas e interação com outras áreas, que não condizem com a filosofia de união e relacionamento vendidas. Incoerências só frustram, revoltam e trazem o conformismo e a estagnação.

 

Siga-nos nas redes