Por que investir no capital humano

Capital Humano

Saber como investir no capital humano é importantíssimo para manter o sucesso da empresa. Afinal, hoje as empresas não são mais avaliadas somente pela qualidade de seus produtos ou serviços, mas também por sua gestão. Os profissionais da atualidade valorizam locais que promovem desenvolvimento, aprendizado e ambientes de trabalho agradáveis.

O que é capital humano?

Antes de falarmos sobre investimento em capital humano, é importante esclarecer o significado deste termo. Muito usado no mundo corporativo, o capital humano é o conjunto de conhecimento, experiência, habilidade e competência que cada indivíduo traz para a execução do seu trabalho – trabalho esse que, por sua vez, irá gerar valores financeiros para a empresa.

Como sempre dizemos aqui no blog e em nossos treinamentos: “empresas são feitas de pessoas para pessoas”. É o lado humano dos negócios que gera capital através de todo o background e personalidade das pessoas. Ou seja, por mais que os avanços da tecnologia estejam a todo vapor e surjam novos modelos de negócios, é o capital humano das organizações que está fazendo tudo isso acontecer.

Por que investir no capital humano?

A resposta é bem simples: investir no capital humano é desenvolver a própria empresa. São as pessoas que estão por trás de todo o andamento dos projetos, das negociações e de todo o sucesso do empreendimento. E é justamente por isso que muitas organizações estão (ou deveriam estar) em um processo de transformação.

Os líderes já perceberam que os tempos mudaram, especialmente com as novas gerações. E hoje, o mundo corporativo grita por investimento em capital humano para lidar com essas mudanças. Mas isso não significa apenas aumento de salário ou benefícios, mas proporcionar experiências de trabalho mais agradáveis aos seus colaboradores. E nesse sentido, há muitas ideias simples que podem trazer resultados incríveis.

4 razões para investir no capital humano

Investir no capital humano aumenta a produtividade e o engajamento dos colaboradores

Diversas pesquisas já comprovaram que investir no capital humano aumenta a produtividade e o engajamento dos colaboradores. E por que não dizer também que eleva a notoriedade da empresa? Enfim, não é à toa que as companhias eleitas como melhores para se trabalhar estão também nos rankings de sucesso empresarial.

Mas como isso é possível? Porque ao investir no capital humano, as organizações estão proporcionando uma série de benefícios aos seus colaboradores. Os profissionais se sentem mais valorizados e atuam em um ambiente mais propício para evoluir. Todo esse clima favorece a satisfação, a motivação, o empenho e a dedicação. Com esses elementos, é até redundante dizer que melhora a produção, a criatividade e a solução de problemas.

Investir no capital humano é investir na retenção de talentos

A retenção de talentos é um desafio no mundo todo. Por isso, uma das maneiras de manter os melhores profissionais na casa é investir no capital humano. Hoje, mais do que salário, as pessoas buscam empregos que preencham suas vidas, valorizem seu empenho e proporcionem desenvolvimento profissional. E tudo isso dentro de um ambiente de trabalho agradável.

Uma pesquisa publicada pela Work Institute revelou as razões que levaram os colaboradores a pedirem demissão. Enquanto muitos gestores acreditavam que se tratava de remuneração, os resultados apresentaram questões mais consistentes: oportunidades de desenvolvimento de carreira, equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e má gestão. Isso mostra claramente que as organizações que não se preocupam com o seu pessoal estão fadadas a enfrentar a saída constante de bons funcionários.

Todo esse conteúdo já atesta a importância do investimento no capital humano como forma de reter talentos. Mas para quem ainda não se convenceu, vale mostrar ainda que o relatório estimou que serão gastos cerca de US$ 680 bilhões até 2020 com o turnover. Então, que tal evitar esse custo e usá-lo para investir no capital humano, ou seja, na própria empresa?

Investir no capital humano beneficia a sua marca

Dizer que investir no capital humano significa beneficiar a sua própria marca parece estranho para algumas pessoas. Mas existe uma relação direta, uma vez que a sociedade está cada vez mais crítica. A forma como as organizações tratam os seus colaboradores tem um grande impacto na escolha do consumidor. Ou seja, é capaz de influenciar a saúde financeira, tanto de forma positiva, como negativa.

Quando a Dynargie foi criada, em 1982, trazendo a filosofia do “human side of business”, parecia antever as transformações do mundo atual. Hoje, mais do que oferecer um bom produto ou serviço, as pessoas levam em consideração uma série quesitos, inclusive, o seu investimento no capital humano. Quem negligencia, além de correr o risco de não atingir resultados excelentes, pode não passar pelo crivo do cliente. E não adianta tentar esconder atrás das paredes de sua sala, pois em tempos de redes sociais e internet, as notícias correm rapidamente para fora do escritório.

Investir no capital humano é ampliar o retorno sobre investimento (ROI)

Os mais conservadores podem até torcer o nariz, mas investir no capital humano é ampliar o retorno sobre investimento (ROI). Isso porque todo o investimento aplicado nas pessoas reflete em diversos aspectos no trabalho. Consequentemente, obtém-se mais qualidade, satisfação e o que fazem os olhos dos empresários brilharem: lucro.

Quando o investimento no capital humano é feito através da educação, por exemplo, o conhecimento e as habilidades adquiridas no treinamento são colocados em prática na organização. Isso traz melhorias não só para o dia a dia ou para a qualidade do projeto, mas também na autoestima do colaborador. Ganhar um curso faz com que o profissional se sinta valorizado, por ter alguém apostando nele e no seu crescimento. Isso ajuda também a mantê-lo por mais tempo em seu emprego. Logo, a companhia consegue o seu ROI de volta.

E para quem ainda não se convenceu, vale pontuar que nem sempre é preciso colocar grandes quantias de dinheiro. Há diversas maneiras, e às vezes com custo zero, que podem se transformar em investimento no capital humano. Quer um exemplo? Proporcionar aprendizado dentro da empresa, utilizando os próprios colaboradores como professores. Essa troca de experiência pode ser bastante enriquecedora e prazerosa, além de entrosar a equipe e fortalecer o networking. E só para reforçar, com mais informações, a qualidade do projeto é melhorada e novas soluções são incentivadas. Ou seja, a aplicação traz bons retornos.

5 características da alta performance

5 características da alta performance

Profissionais de alta performance são aqueles que as empresas fazem o máximo para reter pela capacidade de inovação, liderança e sucesso

 

Um dos atributos mais requisitados pelo mercado, na gestão e na execução, é a alta performance. Aquelas pessoas que ultrapassam as expectativas, indo além do que é solicitado ou esperado, que não se contentam em realizar apenas a sua tarefa, procuram entender o porquê daquela atividade, buscam soluções e melhorias, estabelecem metas altíssimas a serem atingidas estão mostrando aspectos da alta performance. Será que você tem essa qualidade? Para entender melhor, separamos 5 características da alta performance.

 

Alto nível de motivação

São pessoas altamente motivadas, pois estão sempre à procura de desenvolvimento contínuo por meio de cursos, treinamentos, estudos e aperfeiçoamento. Nunca ficam paradas ou estagnadas, ao contrário, vão atrás do sucesso e das suas próprias realizações. Em uma equipe, esses colaboradores criam sinergia e clima empático, proporcionando uma ajuda mútua em prol do coletivo e da satisfação pessoal.

 

Criatividade e inovação

A inquietude de querer sempre entregar algo mais que a sua obrigação faz com que elas busquem soluções e melhorias. Para isso, usam todo o seu talento e potencial criativo em tentar pensar “fora da caixa”. Consequentemente, as chances e a capacidade de ousar e inovar são muito maiores.

 

Empreendedorismo

Esses profissionais possuem o espírito empreendedor – o que não quer dizer necessariamente que tenham um negócio próprio. São pessoas que utilizam as suas habilidades e as suas atitudes a favor da empresa e do cliente, possuem coragem para correr riscos e sabem lidar com eles, e são comprometidos, persistentes e autoconfiantes.

 

Resiliência

A capacidade de lidar com mudanças, de se adaptar ao novo e a resiliência de se recuperar rapidamente de um estresse para seguir adiante são destaques em pessoas e em equipes de alta performance. Com esses atributos, as dificuldades são superadas com mais facilidade, sem falar que a atitude positiva e o otimismo dessas pessoas transformam os problemas e os imprevistos em oportunidades.

 

Espírito de equipe

Outra qualidade importantíssima é o espírito de equipe. Esses colaboradores têm consciência da importância do trabalho em conjunto, da cooperação mútua, da harmonia entre colegas, do comprometimento com as metas coletivas e, sobretudo, eles efetivamente praticam isso na realidade, sem hipocrisia.

Aprenda a gostar do que faz

Gostar do que faz

6 dicas para você adquirir um dos principais ingredientes do sucesso – gostar do que faz

Você já deve ter ouvido falar que as pessoas que amam seus empregos são mais felizes. Por consequência, elas também são consideradas mais produtivas e mais dedicadas. Entretanto, sabemos que nem todos os profissionais conseguem unir a paixão com o trabalho. Pensando nisso, preparamos algumas dicas para te ajudar a aprender a gostar do que faz, a fim de tornar sua carga horária mais prazerosa e fazê-lo adquirir um dos principais ingredientes para o sucesso.

Dê uma chance a si mesmo e ao seu emprego

Esqueça a frase: “Eu odeio o meu trabalho”. Propagar este ódio como um mantra apenas irá piorar o seu rancor e alimentar a sua frustração. Por isso, o primeiro passo é estar aberto a tentar gostar de seu ofício e querer verdadeiramente ser feliz com ele. Transformações vêm de dentro.

Reflita

Antes de tomar qualquer atitude, é necessário refletir a respeito do que te incomoda e o porquê. Às vezes, o problema não é exatamente a ocupação em si, mas, determinadas tarefas, por exemplo. Faça uma lista com itens positivos e negativos para visualizar melhor o contexto e entender o seu incômodo. Assim, ficará mais fácil descobrir o que precisa ser feito para melhorar a situação.

Busque novos desafios

O tédio e o comodismo nas atividades corriqueiras são duas das principais causas para torcer pelo fim do expediente todos os dias. Neste caso, o jeito é se reinventar e procurar algo para instigá-lo novamente, como encarar o desafio de aperfeiçoar uma planilha ou assumir novas responsabilidades.

Razão e objetivos

Pense no que você já conquistou e no que ainda pretende realizar, mesmo que isso signifique apenas metas pessoais, como uma viagem ou ter uma casa própria. Quando você encontra as razões que o levam a passar a maior parte do seu dia no trabalho e estabelece metas sua vaga ganha mais valor e o motivará a dar o seu melhor.

Mudanças

Embora muitos tenham resistência, as mudanças podem ser uma ótima alternativa. Vale negociar uma nova função, pedir transferência para outra área, trocar de equipe. Mas, se preferir ficar onde está, então, sugira modificações, mostrando o que pode ser aprimorado, procedimentos mais eficientes, ou mesmo acordos que favoreçam o setor. Sempre há uma forma de fazer melhor!

Você sabe adequar o estilo de negociação para cada cliente?

Post2

O sucesso de uma reunião comercial pode ser determinado pela atitude do vendedor diante da “motivência” de sua clientela

Se você é daqueles que lida com todos os seus prospects da mesma maneira ou que não se importa em estudar o perfil deles antes da reunião, este post talvez possa fazê-lo repensar sobre suas atitudes. Isso porque, de acordo com um estudo, saber adequar o estilo de negociação a cada cliente que você atender pode ser o fator crucial para quem busca sucesso nas reuniões comerciais.

Desde a publicação de um estudo na Ohio State Studies, na década de 1940, o modelo geralmente aceito descreve que qualquer pessoa orienta o seu comportamento em duas dimensões: face tarefa a cumprir e face às relações. Baseado nisso, um vendedor terá quatro vertentes para conduzir a sua venda. No Estilo 1 (E1), ele priorizará a solução, despertando a necessidade no comprador, influenciando-o; no E2, a relação e a solução são importantes, então, a negociação é avançada, utilizando uma aposta segura; no E3, como a prioridade é a relação, o cliente é ouvido e motivado a encontrar uma solução; e no E4, a conversa fica em aberto, com foco na conclusão.

Os adeptos deste conceito assinalam que os comerciais podem recorrer a qualquer forma de abordagem, desde que seja feita na situação apropriada. No entanto, o fator determinante é a “motivência” (motivação + competência) da clientela diante de uma determinada proposição.

  • M1: competência e motivação fracas
  • M2: competência fraca e motivação elevada
  • M3: competência elevada e motivação fraca
  • M4: competência e motivação elevadas

Neste caso, entenda que competência tem a ver com o conhecimento sobre o produto ou assunto tratado, enquanto a motivação está relacionada à confiança que o interlocutor dá ao vendedor e ao grau de estimulação.

Segundo as observações feitas nesta pesquisa, agir de forma que corresponda estreitamente à motivência de seus clientes possibilita entusiasmar muito mais o seu prospect. Descobriu-se também que, M1 reagia melhor ao E1, M2 com E2, E3 com M3 e E4 ao M4. Já aqueles que não se adaptaram aos seus interlocutores alcançaram resultados menos satisfatórios, alguns, culminando à frustração por não conseguir persuadir seus clientes ou por fazê-lo em demasia, criando inimizade.

Como definir objetivos – e atingi-los

Post Blog

 

Saber o que você quer é fundamental para ser motivado a ir além

Ter objetivos é essencial para o desenvolvimento pessoal e profissional, pois mostra a estrada que se deve trilhar, orienta as ações e, sobretudo, estimula e motiva. Sem eles, muitos se vêem sem rumo, como no clássico “Alice no País das Maravilhas”, em que o Gato dizia para a protagonista perdida: “para quem não sabe aonde vai, qualquer caminho serve” – e isso inclui também o fracasso, infelizmente.

Tamanha é a importância da ciência de seus anseios a serem buscados que a sua elaboração não deve ser leviana, como muitas promessas não cumpridas feitas durante o réveillon. Defini-los envolve a atribuição de algumas qualidades para o plano estratégico que o levará a sentir o prazer da realização. Na metodologia Dynargie, CARAT é sinônimo de uma boa meta: cada letra da sigla representa um quesito que deve estar contido naquilo que você almeja.

Concreto – Aonde você quer chegar deve ser algo concreto para que seja possível empregar um indicador. É ele que irá mensurar o quão perto ou longe está o seu ponto final. Vale o uso de percentuais, valores, quantidade, etc. Consciente do seu estágio, você reforça o compromisso com a meta e estimula a sua persistência. “Muitas pessoas fracassam por não perceberem o quão perto elas estavam do sucesso quando desistiram”, dizia o inventor norte-americano Thomas Edison.

Ambicioso – O seu alvo tem de ser ambicioso, a fim de instigá-lo. Mais que isso, sonhar alto exige o uso de toda a sua potencialidade na concretização. Além da satisfação de se superar, você ainda lucra com o próprio desenvolvimento e crescimento. “Quero aumentar as minhas vendas em 20% e viabilizar a entrada do meu produto para um novo público. Por isso, preciso estudar bastante e me especializar”.

Realista –O que você quer tem que ser conquistável. Então, ao definir seu objetivo, seja honesto consigo. Não se subestime, nem se superestime. Avalie a situação, o seu know-how, e reconheça pontos fortes e fracos a fim de ter parâmetros sobre o que é possível fazer. Se necessário, adapte à sua realidade. “Em vez de passar 30 dias na Europa passeando e viver apertado depois para pagar as contas, ficarei apenas duas semanas para aproveitar tranquilamente toda a viagem, sem acumular dívidas”.

Assumido – É importante tomar para si o seu desejo, de modo a acatá-lo como uma responsabilidade, entendendo os propósitos e a sua relevância, e dispondo-se a lutar pelo mesmo. “Só depende de mim”. No caso de organizações, muitas falhas acontecem porque nem os gestores, nem a equipe possuem uma finalidade assumida.

Tempo definido –“Vou perder 5 quilos até o Carnaval”. Ter uma data para a concretização é fundamental para que ele saia do papel e te mantenha no rumo, mesmo que haja alguns percalços no meio da estrada. Afinal, não basta apenas pretender “emagrecer”, é preciso definir um prazo e planejá-lo, caso contrário, a dieta começará na segunda e terminará na terça toda semana.

Siga-nos nas redes