Retorno aos escritórios: como lidar com filhos e saúde mental

Retorno aos escritórios: como lidar com filhos e saúde mental

O retorno aos escritórios está levantando uma série de discussões importantes. A principal, é claro, está relacionada diretamente à COVID-19, às novas medidas adotadas nos escritórios, aos cuidados e às mudanças em tempos de pandemia. Sendo assim, a pergunta que fica é: e os filhos? Sem escolas, como voltar à velha rotina? E como se tudo isso não fosse preocupação suficiente, vem a questão da saúde mental dos profissionais. A quarentena e o coronavírus mexeram demais com o emocional de muita gente – e continuam interferindo. Isso faz com que a volta ao trabalho não seja tão fácil como pode parecer.

Retornar aos escritórios ou estender o home office?

Com a flexibilização da quarentena em diversas cidades brasileiras, muitas pessoas estão retornando presencialmente aos ambientes corporativos. Afinal, nos últimos meses, várias empresas começaram a suspender o home office e fazer os times voltarem. A questão é que esse retorno aos escritórios tem causado polêmica. Enquanto há quem que não aguente mais ficar em casa, outros acreditam que o retorno aos escritórios é prematuro. A economia precisa se recuperar, isso é certo. Porém, o cenário ainda é muito inseguro, com o número de mortes e infectados subindo a cada dia.

A pressão do retorno aos escritórios

O retorno aos escritórios em meio à pandemia divide opiniões. Em uma pesquisa publicada pelo jornal Estado de São Paulo, 57% dos entrevistados afirmam temer o contato com pessoas que não seguem as diretrizes de segurança. Sem a vacina, o medo de contágio é enorme e preocupa os colaboradores. Ao mesmo tempo, há um grande receio de perder o emprego em tempos de crise. O estudo ainda aponta que existe uma forte pressão para voltar ao trabalho presencial.

Diversas empresas determinaram a obrigatoriedade do retorno aos escritórios. Isso deixou os profissionais cheios de inseguranças e receios. Por consequência, a tendência é aumentar o nível de tensão e estresse no ambiente de trabalho. Também é possível desencadear dificuldades no convívio com os colegas por conta da prevenção.

O estresse do home office

O retorno aos escritórios traz muitas incertezas e hostilidade em tempos de pandemia. Em contrapartida, o home office tem causado exaustão a muitos trabalhadores. De acordo com uma pesquisa do Centro de Inovação da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (FGV-EAESP), 45,8% dos entrevistados tiveram aumento da carga de trabalho após o isolamento social. Além disso, conciliar atividades pessoais e profissionais com o teletrabalho foi uma dificuldade apontada por 56% das pessoas.

Apesar de outras pesquisas indicarem o sucesso do trabalho remoto, a modalidade possui seus pontos negativos. E o fato de se submeter a uma mudança tão repentina agravou a situação. Não é à toa que um fenômeno, nomeado como “zoom fatigue”, expressa essa nova realidade. Ou seja, as videoconferências também têm sido uma das razões do esgotamento no home office.

Retornar aos escritórios ou estender o home office, eis a questão

Especialistas recomendam que a melhor forma de decidir é dialogar com os colaboradores. Grandes corporações já anunciaram que irão manter o home office, seja permanente, seja de forma híbrida. E o que muitas delas acertaram neste quesito é dar o direito de escolha. Especialistas apostam que em um momento tão delicado, é preciso encontrar formas que sejam confortáveis para todos. Vale lembrar que isso ajuda a amenizar o estresse e manter a produtividade diante de tantos desafios.

Retorno aos escritórios: como ficam os filhos?

O retorno aos escritórios está causando um estresse enorme nos profissionais com filhos. Afinal, como voltar ao trabalho sem as escolas e creches? Sem uma previsão concreta da volta às aulas, muitas famílias ficaram de mãos atadas. Com quem vamos deixar as crianças enquanto saímos para trabalhar? Para quem pode pagar, a contratação de babás tem sido a saída. Mas essa decisão não é fácil, por conta da exposição aos riscos de contágio, a relação e o vínculo com uma pessoa desconhecida, entre outros pontos.

Já para quem pode contar com uma rede de apoio de familiares, como os avós, até tem uma solução. Entretanto, é bastante temeroso deixar a criançada com eles, uma vez que a maioria se encontra no grupo de risco. E ainda tem a preocupação de zelar pelos familiares sem estar de quarentena em casa. Essas são apenas algumas perguntas que ainda estão sem respostas. E dificultam ainda mais a equação entre vida profissional e pessoal.

Por isso, o ideal é que haja compreensão, empatia e diálogo para promover o retorno aos escritórios. As empresas e os líderes precisam conciliar as necessidades dos colaboradores e das operações corporativas. Em uma fase tão desafiadora para toda a população, o que nos resta é apoiar uns aos outros. É preciso lembrar ainda que o home office é a única saída para mães e pais que não querem deixar de trabalhar.

Retorno aos escritórios: atenção à saúde mental dos colaboradores

O retorno aos escritórios exigiu o cumprimento de uma série de normas para combater a contaminação pela covid-19. O que muitos se esqueceram é que a volta para o trabalho presencial também exige uma atenção à saúde mental. Antes da pandemia, a Organização Mundial da Saúde já alertava sobre o aumento de doenças psiquiátricas em 2020. Com o cenário atual, as pessoas se tornam ainda mais suscetíveis a desenvolverem síndromes que acarretarão problemas mais graves num futuro próximo.

Dessa forma, forçar o retorno aos escritórios pode ser ainda mais prejudicial ao colaborador. A atualidade requer um olhar mais empático e coragem para decidir – e às vezes, a melhor opção não é a mais conveniente. Gestões participativas e conversas honestas farão toda a diferença não só no sentido de humanizar as corporações, mas no que diz respeito aos resultados e desempenhos das equipes.

Comentário

Deixe um comentário

16 + 14 =

XHTML: Você pode usar: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Siga-nos nas redes